expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Considerações sobre o actual torneio do Guadiana

A Supertaça é possivelmente o troféu mais desinteressante de toda a época. É um género de transição entre a pré-época e a época propriamente dita. Nem chega a ser uma competição. É uma questão de sorte ou azar: se jogas mal, perdes a taça. Não são precisos vários jogos para chegar à final, a menos que haja equipas a passarem o ano com o pensamento "epa vou ganhar contra o Arouca para depois disputar a Supertaça, que se lixe o campeonato". A própria Taça da Liga é mais interessante (e dá mais dinheiro) que a Supertaça. Um jogo entre Benfica e Sporting no Algarve nesta altura há uns anos chamava-se Torneio do Guadiana, domingo chamou-se Supertaça.  

Mas, agora que já se passaram quase dois dias depois da derrota do Benfica, já posso comentá-la melhor. Na verdade ainda não tinha tido tempo para o fazer, porque os comentários continuam os mesmos.

Primeiro que tudo quero salientar o excelente trabalho de Jorge Sousa, o ex-super dragão e melhor árbitro português da actualidade. Jorge Sousa dignificou aquilo que de melhor se faz a nível da arbitragem no nosso país. Muitos falam sobre o golo anulado ao Sporting. Foi bem anulado. O fora-de-jogo pressupõe que haja um jogador da equipa contrária (neste caso, do Benfica) à frente do jogador que fez o remate. Havia algum jogador do Benfica à frente do jogador do Sporting que rematou? Não. Quem lá estava era o Ola John e o Ola John não pode ser considerado jogador de futebol.

Mas passemos àquilo que foi o jogo. Nunca pensei ficar chateada por ver o Eliseu no banco. Nelson Semedo provou ser um boa aposta, mas alguém devia lembrar o Rui que tem um campeão europeu de sub-21 na equipa para aquele lugar. Sílvio é uma excelente aposta para o lugar de lateral-esquerdo. Se quisermos sofrer os golos todos por esse lado. Luisão não recuperou mas não houve problema. Lisandro Lopez esteve bem e provou ao JJ que é bom jogador. Mas para mim o melhor em campo foi o Talisca. Fez um jogo tão bom, que só dei por ele quando o substituiram. 

Não percebi qual é que foi a ideia do Rui Vitória. "Ah e tal, o Jesus diz que eu não mudei nada por isso vou mudar isto tudo". Eu sou adepta da mudança, mas para melhor. Não vamos mexer no que está bem feito. Não vamos trocar o Pizzi pelo Talisca nem vamos tirar o Samaris de jogo quando o Fejsa já tem amarelo. Mas atenção, eu sou uma fervorosa  adepta de Rui Vitória (como já tinha dito várias vezes, aliás), principalmente se ele levar as suas ideias fenomenais para bem longe do Benfica. 

Desabafos feitos, Jorge Jesus se calhar precisa de aprender o que são boas maneiras. Mas só se calhar. Às tantas tinha só saudades do Jonas e o Jonas é que estava aziado e se passou com o antigo treinador. É provável que tenha sido isso. Jorge Jesus nunca me pareceu o tipo de pessoa que gosta de provocar só porque sim. Principalmente provocar um dos grandes responsáveis pelo título de campeão nacional que conquistou no ano passado. 

Sem comentários:

Enviar um comentário