Se ganhasse um euro de cada vez ...

19:00

... que me dizem "tens de ter esperança, vai aparecer qualquer coisa" (coisa que é como quem diz um emprego);
 
... que escrevem o meu nome mal;
 
... que a minha mãe reclama comigo;
 
... que o Jonas marca um golo;
 
... que me perguntam se estou a ser sarcástica.
 
Já estava rica e o primeiro ponto deixava de fazer sentido porque já não precisava de aparecer nada.

O Continente prometeu-me dois jogos pelo preço de um ...

Futebol 14:00
... e eu começo a achar que paguei 5€ e não vou ver jogo nenhum. Sim, porque qualificar aqueles 90 e poucos minutos de ontem como um jogo de futebol é gozar com a cara de quem vê bola há anos. No máximo foi um espetáculo de comédia a começar no cabelo do Quaresma, passando pelo fenomenal golo da Bulgária e acabando no penalti falhado do Ronaldo (se bem que eu era a única a rir-me dos dois últimos pontos no estádio inteiro). Um jogo destes dá fome e sono, felizmente há uma nuteleria relativamente perto do estádio.

Mas tudo isto para dizer que, qualquer dia, em vez de o Continente oferecer descontos aos adeptos para irem ver a selecção, têm de lhes pagar porque não compensa estar 30 minutos no pára-arranca depois de ter visto isto. Espero que pelo menos na terça a Bélgica pratique futebol!

Mas como boa adepta de futebol que sou, houve três momentos que aplaudi especialmente (até porque também foram os momentos mais aplaudidos no estádio):

1. Quando o Renato Sanches foi para o aquecimento;

2. Quando o Renato Sanches entrou;

3. Quando o puto invadiu o estádio para ir abraçar o Renato Sanches.

Notem que o ponto três foi mesmo o mais emocionante do jogo. E ainda tenho amigos que me dizem que a maioria dos leirienses são sportinguistas! Não me lembro dos aplausos para o meio campo...

Questões que assolam a humanidade #11

comida 18:55

Os peixinhos da horta não deviam levar peixe?

Há uns dias, nem sei bem porquê, a minha mãe lembrou-se de falar em peixinhos da horta. É uma daquelas coisas que eu nunca provei e, na minha ignorância, achava que levava peixe (vá-se lá perceber porquê). Qual não foi o meu espanto quando a minha mãe me disse que peixinhos da horta era, nada mais nada menos, que feijão verde frito (percebi logo porque é que nunca tinha provado). Quem é que foi o génio que se lembrou de dar este nome? É que o feijão verde nem sequer é parecido com um peixe! Entretanto faz-se a receita com peixe e chama-se "feijõezinhos do mar", não?

Vi Nossa Senhora. E agora?

18:52
Estão familiarizados com a história dos pastorinhos? Toda a gente está. Em 2017 celebram-se os 100 anos das aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria. Imaginem agora que, por mero acaso, Nossa Senhora decide dar um ar da sua graça novamente? Imaginem que sou eu a vê-la! A probabilidade é exatamente a mesma que era há 99 anos atrás. Eu até tenho o crisma e moro perto de Fátima portanto é uma hipótese plausível. Mas, vista a Nossa Senhora, o que é que eu devia fazer? Guardava isso para mim? Contava a toda a gente? 

Se guardasse isso para mim, provavelmente dava em maluca (ainda mais) e começava a achar que via coisas. Afinal não é todos os dias que vemos uma mulher a brilhar imenso em cima de uma árvore. Daí à loucura demorava pouco tempo. Ou então nem chegava a perceber o que se tinha passado!

Se contasse a alguém iam prontamente querer internar-me! Vamos ser honestos: quem é que acredita que alguém viu um santo hoje em dia? Fartamo-nos de ouvir relatos de santos que choram, de pessoas que dizem falar com Deus e não acreditamos em nenhuma. Então como é que acreditaram em três miúdos que viram uma mulher no cimo de uma árvore num lugar que só vem no mapa hoje em dia precisamente por causa deste acontecimento? Convenhamos que isto é um pouco rebuscado. Se hoje em dia três miúdos fossem contar esta história perguntavam-lhes o que é que eles beberam/fumaram! É incrível o quanto as mentalidades mudam em 100 anos.