"O meu negócio é melhor que o teu"; "Não, o meu é que é"

Benfica 22:03
Não se fala em mais nada. Já nem se fala de futebol. O que importa são os milhões que a NOS e a MEO pagaram pelos direitos de transmissão dos jogos de Benfica, Sporting e Porto. Primeiro apareceu o Benfica com 400 milhões. Chega e o Porto e bam 457 milhões. Vem o Bruno dizer que o Sporting não estava em saldos e no dia seguinte já se fala em 515 milhões. Se houvesse mais "grandes" em Portugal, continuávamos nisto infinitamente.

Qual foi o melhor negócio? Onde é que os adeptos vão ver os jogos? São as duas perguntas que mais se têm feito nos últimos dias. Na verdade não podia querer saber menos disto. Primeiro porque milhões não me servem para nada se o Benfica continuar a apresentar o futebol miservável com que nos tem presenteado. Segundo, porque os negócios não mudam nada quanto a canais onde ver a bola. A internet continua a existir para todos quantos são Inácio, como eu.

Mas, agora a sério, quem é que fez o melhor negócio? Parece ser unânime que foi o Benfica. Apesar de ter o valor mais baixo, o negócio com a NOS inclui apenas a BTV e os direitos de transmissão dos jogos do Benfica em casa. Já os outros dois negócios incluem publicidade estática nos estádios e patrocínios nas camisolas (patrocínios esses que o Benfica tem assegurados por 3 anos com a Emirates). Além disso o negócio do Benfica é por 3 anos com a opção de renovação até 10. Melhor do que ler as minhas explicações, é ver a tabela abaixo:


Então como é que um adepto Benfiquista que é assinante da MEO vai ver o Benfica? Há três opções: muda para a NOS, vai para o café ou passa a ser Inácio. Isto numa  perspectiva mais simplista. Numa versão mais séria parece haver duas opções:

A criação de um novo canal desportivo abrangido pelas duas operadoras (o que me parece bastante bem caso me ofereçam um emprego);

A compra de jogos por assinantes de outra operadora. Portanto o adepto Benfiquista assinante da MEO iria comprar os jogos que queria ver, um por um, como acontece noutras ligas.

Sucintamente parece ser isto. O Benfica joga mal, mas fez um bom negócio. Isso é que interessa. 

It's Christmas Time!

natal 14:00
Este texto foi escrito ontem porque a esta hora eu estou a fazer uma de quatro coisas:

Fazer doces/bolos;
Comprar aquele ingrediente que falta para o doce/bolo;
Embrulhar as últimas prendas;
Distribuir prendas.

Sim, porque o dia 24 é sempre uma correria. Sobretudo se o jantar for cá em casa (o que não acontece há algum tempo para bem das minhas costas e pernas).

De qualque das formas quero apenas desejar a quem quer que esteja a ler isto um feliz Natal cheio daquelas coisas fantásticas que as pessoas escrevem sempre nestes textos.

Joguei no Placard...

placard 13:00
... e ganhei.

Confesso que me sentia um bocado excluída da sociedade por nunca ter jogador no Placard. Finalmente tirei uns minutos da minha vida para entender o jogo e ganhei 2,5€. E não, o Placard não é complicado. E para quem nunca jogou: tratem disso porque ganhar é relativamente fácil. Claro que apostando pouco é impossível enriquecer, mas todos os cêntimos são bem vindos.


O Placard está dividido entre apostas simples e combinadas. Nas simples apostam determinado valor por cada jogo (se apostarem 2€ em três jogos terão de pagar 6€) e ganham por cada jogo (esses 2€ são multiplicados pelo valor da odd do clube em que apostaram). Nas combinadas apostam obrigatoriamente em mais que um jogo (podem apostar 1€ em oito jogos) mas só ganham se todos os jogos terminaram com o resultado que previram. É tão simples quanto isto.

Para vos dar o exemplo, eu apostei 1€ em três jogos e todos acabaram exactamente como eu previ (e não é preciso ser genial, porque era óbvio). Conclusão: vão jogar no Placard. No máximo perdem, mas a probabilidade de ganharem é bastante maior que no Euromilhões ou nas raspadinhas.

Letras com nota artística #6: "Last Christmas"

letras 17:30



Já há muito tempo que não me dedico à análise de letras de músicas. Mais por falta de paciência do que outra coisa. Tenho algumas em lista de espera, mas a parvoíce que vão demorar cinco minutos a ler, demora mais que isso a escrever. Sim, ser-se parva dá um trabalhão que não imaginam. Mas vamos então atentar na letra de uma das minhas canções de Natal preferidas: Last Christmas dos Wham!

"Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.
Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.

Once bitten and twice shy
I keep my distance
But you still catch my eye.
Tell me, baby,
Do you recognize me?
Well,
It's been a year,
It doesn't surprise me
(Merry Christmas)
I wrapped it up and sent it
With a note saying, "I love you,"
I meant it
Now I know what a fool I've been.
But if you kissed me now
I know you'd fool me again.

Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.
Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.

A crowded room,
Friends with tired eyes.
I'm hiding from you
And your soul of ice.
My god I thought you were someone to rely on.
Me? I guess I was a shoulder to cry on.
A face on a lover with a fire in his heart.
A man under cover but you tore me apart, ooh-hoo.
Now I've found a real love, you'll never fool me again.

Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.
Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.

A face on a lover with a fire in his heart (I gave you my heart)
A man under cover but you tore him apart
Maybe next year I'll give it to someone
I'll give it to someone special.
Special...
Someone..."

 A meu ver, há três maneiras de interpretar esta música e, por isso mesmo, vou focar-me apenas no refrão da mesma caso contrário era Natal e eu ainda estava a esmiuçar isto.

1. A óbvia. É a maneira como toda a gente interpreta a música: um desgosto amoroso. Logo nesta interpretação menos trabalhada vemos a estupidez que é esta letra. Portanto falamos de um indivíduo cujo amor foi rejeitado pela pessoa a quem "ofereceu" o seu coração. Até aqui tudo bem. Mas há uma solução para que o coração "oferecido" não fosse devolvido no dia seguinte: não enviar o talão de devolução/troca. O problema é quando o indivíduo diz que este ano vai "oferecer" o seu coração a alguém especial. Daqui deduzimos uma de duas coisas:

Que o indivíduo no Natal passado "ofereceu" o seu coração a alguém que não era especial e portanto é estúpido;

Que o indivíduo achava que estava a "oferecer" o seu coração a alguém especial no ano passado que depois provou que não o era e portanto é estúpido por achar que este ano consegue perceber exactamente quem é e quem não é especial.

2. A literal. É a que me vem de imediato à cabeça cada vez que oiço esta música. Se o indivíduo ofereceu o seu coração no ano passado, como é que o vai oferecer novamente este ano? Não é suposto uma pessoa falecer sem coração? Além disso, quem é que quer receber um órgão no Natal? Antes uma meias.

3. A verdadeira. Esta música fala de tráfico de órgãos (ou numa versão mais soft de transplantes), senão vejamos: um indivíduo precisa de um coração novo para viver e eis que o indivíduo da canção lhe oferece o dele (claro que primeiro tem de falecer). Transplantes de coração devem ser complicados e, portanto, no dia seguinte, o indivíduo que recebeu o coração rejeitou-o. Assim sendo, esse mesmo coração fica numa qualquer câmara frigorífica para que no ano seguinte possa ser doado a outra pessoa. Parece-me óbvio. 

Sobre o concerto do David Fonseca na sua terra natal

concertos 21:46
Já tinha dito aquando do post sobre o concerto mais pequeno do mundo sobre rodas que ia ver o concerto do David Fonseca dia 10. E fui. Felizmente a Sara foi suficientemente fixe para não me deixar ir sozinha e ainda aproveitámos a ocasião para fazer troca de prendas (agora tenho 76 pares de brincos)!

Teatros nunca foram nem hão-de ser o melhor local para assistir a concertos. As cadeiras levam a que fiquemos sentados quando na verdade devíamos estar de pé a aplaudir até à exaustão. E o público leiriense é difícil. Mesmo com um artista da terra. Não deixa de ser engraçado o facto de ter visto pessoas de todas as idades. De facto, o David há-de ser um dos artistas que conheço com o público mais heterogéneo de sempre. Dos mais novos aos mais velhos, homens e mulheres, quem gosta de música com toques de rock, gosta dele.

O concerto abriu com "Futuro Eu" e "Chama-me Que Eu Vou", os dois primeiros singles do álbum. Era proibido tirar fotos. E quando digo "proibido", é mesmo isso que quero dizer. As "senhoras do teatro", como o cantor lhes chamou, passaram o concerto "em cima" das pessoas que tentavam sequer mexer no telemóvel. Leiria é provavelmente a única cidade do país onde "é proibido filmar ou tirar fotos" significa "é proibido filmar ou tirar fotos" (o que não me faz confusão tendo em conta a pobre qualidade da câmara do meu telemóvel).

Mas o concerto continuou com uma fraca interacção com o público que achei estranha. Foi com essa interacção que fiquei super fã do David. Fui vê-lo no ano passado ao Casino de Lisboa sem conhecer grande parte das suas músicas e ele convenceu-me com aquele lado mais louco em palco e com a forma como falava com o público. Eu e a Sara ainda tentámos algures começar a aplaudir no meio de uma música. Não funcionou. Imediatamente antes da minha canção preferida ("Superstars") eis que o David decide realçar aquilo em que já todos tínhamos reparado: estar num teatro numa cidade tão pequena, impede o público de "soltar a franga". Levanta-se metade da sala para dançar (ou fazer o que eu faço que não é bem o mesmo) ao som de "Superstars". As pessoas atrás de nós estavam sem vontade, mas lá tiveram de resistir à tentação de estar sentadas.

Ouvimos a história do Pedrógão (de que já tinha falado no post do concerto mais pequeno do mundo) e ouvímos também a história de um indivíduo que pôs no OLX um anúncio deveras peculiar que, infelizmente, já não está online. Mas era um homem à procura de companhia para ir ao concerto do CCB. Mas tinha de ser uma mulher culta, se fosse burra já não servia.

Houve dois encores. O que é estranho, mas genial. Eu sempre disse que, se fosse cantora, ou não fazia encore ou fazia mais que um para ver quem se ía embora. Foi o concerto mais longo a que assisti. "No máximo à meia-noite estou em casa", disse eu aos meus pais. À meia-noite estava o concerto a acabar e começou por volta das 21.45 (mais coisa, menos coisa). Ainda houve tempo para se bater um recorde do guiness (ou, neste caso, criar um novo). Isto porque, diz o David, as autarquias têm todas um livro de recordes do guiness para quando algo corre mal. "Epa isto está mau, o pessoal já não simpatiza comigo, que recorde é que podemos bater?". Nesse dia tinha sido a de maior árvore de pessoas do mundo. Acho que ele se esqueceu que, a uns metros do Teatro, estava uma árvore de Natal de paletes no centro de Leiria também no guiness (quem é que se lembra de fazer um recorde destes?). Ele também queria estar no livro. Como a canção mais pequena do mundo era impossível de rivalizar (é só uma nota) e a maior tem dois meses, decidiu fazer a menor canção e menor aplauso do mundo. 

A única coisa que me "chateou" foi de facto o público até certo ponto. Mas acabou toda a gente (à excepção das duas ou três filas à minha frente) a dançar e cantar ao som de "What Life Is For". Voltava a pagar os 14.5€ sem qualquer problema. Mas queria ir para a fila da frente, para onde havia dois lugares livres (morram pessoas que compraram os bilhetes e não foram!). Mesmo que fosse para ouvir "canções tipo Festival da Canção de 1970". É uma pena Leiria não ser Nova Iorque. Se fosse, não seríamos apenas nós os sortudos que podem ouvir e ver o melhor artista deste país!

Não posso precisar a ordem das canções, mas fica aqui o alinhamento (se a minha memória não me falha):

- Futuro Eu
- Chama-me Que Eu Vou
- Superstars
- Stop 4 A Minute
- Someone That Cannot Love
- Deixa Ser
- Só Uma Canção No Mundo
- Sem Aviso
- U Know Who I Am
- Funeral
- Hoje Eu Não Sou
- Cry 4 Love
- Agora É A Nossa Vês
- Não Dês Só P'ra Tirar
- Eu Já Estive Aqui
- What Life Is For
- Deixa A Tua Voz Depois do Tom
- The 80's
- Kiss Me, Oh Kiss Me

Somos todos Tonel

Benfica 21:42
Estava o Benfica a jogar muito mal (coisa bastante rara esta época como já devem ter reparado) e, de repente, o guarda-redes da Académica, arma-se em Tonel e derruba estupidamente o Gaitan que já nem conseguia chegar à bola. Golo do Jonas.

Continuou o jogo com o Benfica a jogar muito mal e eis que um jogador da Académica decide cortar com o braço uma bola que ia direitinha ao Mitroglou. Só um árbitro cego é que não via aquilo. Golo do Jonas.

E par mostrar quem é que manda ali ainda vai o Renato Sanches e protagoniza o único momento de futebol da noite: um daqueles golaços que só pode ser marcado por alguém que tenha nascido umas dez vezes.

Conclusões: golos 3 - 0 futebol. De facto o que é preciso é dar tempo ao Rui Vitória. A equipa joga cada vez pior, mas não se pode ter tudo. Praticar bom futebol e vencer é para o Bayern e afins. Nós temos de nos contentar com isto.

Concerto mais pequeno do mundo sobre rodas com David Fonseca

concertos 18:39
Já todos ouviram falar no concerto mais pequeno do mundo. É uma iniciativa da Comercial em que um artista actua perante um pequeno grupo de pessoas (geralmente num hotel em Lisboa ou no Porto). A ideia aqui é a mesma, mas com o bónus de percorrer várias cidades do país. Durante a semana passada (nos cinco dias úteis) David Fonseca percorreu dez cidades do país (duas por dia) e convidou os seus fãs a entrarem numa auto-caravana para o ouvirem. Não era preciso inventar frases bonitas ou acumular gostos num qualquer comentário no facebook. Bastava aparecer e levar a peça de fruta que era pedida um pouco antes (frutas essas que foram entregues a uma associação).

Já tinha dito que andava viciadíssima no mais recente álbum do David Fonseca e não havia outra solução que não fosse ir a Leiria na passada sexta-feira para fazer parte desta iniciativa genial. "Vou lá vê-lo e assim já não gasto 15€ no bilhete para ir ao concerto", dizia eu. Não podia estar mais enganada. Ter feito parte desta experiência só fez com que eu tivesse a certeza de que tinha de pagar os 15€ para o concerto de dia 10. Confesso que sou o género de pessoa que quase se recusa a pagar artistas portuguesas porque, mais tarde ou mais cedo, vou poder vê-los numa qualquer festa de verão gratuitamente. Mas desta vez paguei. A verdade é que sou forreta, mas quando se trata de gente que eu admiro, deixo isso de lado. E uma tour de promoção de um álbum inteiramente em português de um cantor que sempre me habituei a ouvir em inglês merece que eu lá esteja. Sobretudo porque o álbum é completamente genial. Desde as canções, ao conceito, às formas de promoção que não lembram a ninguém.

Eram 18h e lá estava eu prontinha para ir para uma fila (que já tinha oito pessoas) em frente ao mercado de Sant'Ana (lugar escolhido para estacionar a auto-caravana). Com uma maçã nas mãos (a fruta pedida) lá entrei juntamente com mais 11 pessoas e deixei outras tantas lá fora. O David lá nos contou que tinha deixado Leiria para último para ficar mais perto de casa e tentou que uma coluna funcionasse. Mas depois de tantos concertos durante a semana, decidiu fazer birra. Acabámos por ter direito a três canções em versão acústica. Não sou louca por acústicos como muita gente, mas soube bem ouvir "Chama-me que  eu vou" só ao som da viola. A juntar a esta canção (que está na minha cabeça há semanas) ouvimos também "Deixa Ser" e "Não dês só p'ra tirar" (a culpada de o álbum ser em português).

Tivemos direito a ouvir um episódio da vida do cantor passado no Pedrógão (aquele lugar para onde toda a gente da zona vai de férias menos eu, que odeio praia) e no final recebemos todos um CD. Juro. CDs para todos. Não podem imaginar a minha felicidade a receber aquele "Futuro Eu". Estava na minha lista de prendas de Natal, mas o Pai Natal não o ia trazer autografado.