Malefícios da chuva consideravelmente piores do que aqueles que todos reconhecem mas nos quais pouca gente pensa

inverno 19:50
Já repararam que eu tenho um problema com títulos? Títulos e finais de textos. Desde sempre. No geral o conteúdo também não é grande coisa mas consigo disfarçar melhor nesse caso.

Já repararam também que toda a gente se queixa da chuva sem se queixarem da pior das consequências que nos é trazida pelo mau tempo? É mau ficar molhado? Claro. É mau carregar o guarda-chuva? Sim. É mau bater com o guarda-chuva no de outra pessoa porque ninguém consegue ver por onde anda? Hum hum. É mau andar na calçada portuguesa escorregadia? Muito. Aliás, as pessoas que insistem em colocar calçada nas nossas estradas deviam repensar as suas vidas.

Mas há uma coisa muito pior que tudo isto e com a qual as pessoas não se revoltam: gente que anda com o guarda-chuva perpendicular ao corpo. Ora, o guarda-chuva deve estar em posição vertical, no seguimento do sentido dos nossos corpos. Há pessoas (e não são poucas) que agarram o guarda-chuva no meio (como se aquilo não tivesse um local próprio para ser agarrado) e o levam numa posição horizontal e perpendicular ao seu corpo deixando aquele bico final para trás. Quem anda atrás destas pessoas tem de ter cuidados redobrados para não ter o seu lombo perfurado pelo guarda-chuva da pessoa que não sabe viver em sociedade.

(Vêem aquele problema dos finais de texto?)

Pessoas que não sabem estar em escadas rolantes

estupidezes 16:02
No outro dia tinha uma notificação da página de facebook e pensei durante escassos segundos "ui tenho novos fãs". Rapidamente me apercebi que isso não podia ser verdade e concluí o que posteriormente vim a confirmar: era uma daquelas notificações que avisa o proprietário de uma página que as pessoas que têm gosto na mesma não sabem de nós há algum tempo. É normal, até porque desde o início de janeiro que nada é publicado aqui apesar de estarem umas quantas coisas em rascunho. 

Como me senti mal pelas pessoas quem anseiam pelas minhas estupidezes aqui e no facebook, decidi que estava na hora de vir falar de uma das coisas que mais me atormenta no dia-a-dia: pessoas que não sabem estar em escadas rolantes. Tenho notado, com o passar do tempo, que há quatro tipos de pessoas que não sabem estar em escadas rolantes. 

1. Os esfrega-cidadãos

Não sei se estão familiarizados com a expressão proveniente de uma mixórdia de temáticas mas não é complicado percebê-la neste contexto. É regra geral que devemos dar uma escada de intervalo para com a pessoa que está a subir à nossa frente. Qualquer pessoa sensata sabe isto. Infelizmente há demasiadas pessoas insensatas neste mundo.

2. Os que se estacionam no lado esquerdo

É outra regra: se estás do lado esquerdo é para ires andando. Ainda que a pessoa não saiba que não deve ficar parada no lado esquerdo das escadas rolantes, não é difícil concluir isso quando vê toda a gente do lado oposto ou quando lhe pedem licença duzentas vezes para passar.


3. Os que andam mas mais valia estarem parados

É uma espécie diferente da de cima e ainda mais irritante. Todos os dias me cruzo com pessoas destas que estão do lado esquerdo, a subir as escadas como deve ser mas extremamente devagar. São 8:55 da manhã e parece que eu sou a única pessoa com pressa.

4. Os que vão por escadas normais se as rolantes estiverem avariadas

Durante vários dias as escadas rolantes do Cais do Sodré estavam avariadas. Quem está familiarizado com a estação perceberá melhor o que vou dizer mas vou tentar explicar esta estupidez o melhor possível. Quando saímos do metro as escadas mais próximas são as rolantes e essa é a única razão pela qual nunca subo pelas outras. Durante estes dias de avaria, reparei que a grande maioria das pessoas escolhia andar mais e subir pelas escadas normais. Ora, eu não sou expert em escadas mas podia jurar que as rolantes paradas e as normais são exactamente a mesma coisa e, portanto, subir por umas ou por outras também é exactamente a mesma coisa. Ir pelas escadas normais implicaria um maior deslocamento e, por conseguinte, maior cansaço. Burros.

Vemo-nos novamente daqui a 5 meses...