5 minutos de pré-época...

Benfica 18:57
... e a minha mãe já arranjou nomes para toda a gente. É Esferovite (Seferovic), Caiaque (Kalaica), Germes (Hermes) e Orangotango (Arango). Típico.

O problema das minhas ideias verdadeiramente fenomenais...

18:57
... é nunca me dar ao trabalho de as apontar.

É incrível como tenho uma quantidade enorme de ideias para posts fantásticos (talvez fantásticos seja um exagero, mas nunca o saberão) no preciso momento em que estou quase a adormecer. Isto acontece sempre da mesma maneira: eu deito-me de madrugada sem sono nenhum, fico a rebolar meia hora na cama e, no preciso momento em que encontro a posição ideal para dormir, o meu cérebro decide lembrar-se de um tema excelente para abordar no blog. E nisto eu penso: "podia muito bem levantar-me e apontar isto num papel ou no telemóvel para escrever amanhã", mas acham que alguma vez fiz isso? Claro que não, porque prezo demasiado o meu sono de beleza e vivo na ilusão de que, no dia seguinte, me vou lembrar de tudo aquilo em que pensei no momento em que estava a fazer a transição entre este mundo e o fantástico mundo da hibernação. Qualquer dia tenho uma ideia brilhante para um negócio que me podia deixar milionária e nunca a executo porque não me apeteceu apontá-la.

P.S. Este foi um dos temas em que pensei ontem antes de ir dormir. A diferença é que nesse momento tinha muito mais interesse do que agora.

15 coisas fantásticas que a década de 90 nos deu

19:02
Se, como eu, nasceram no início dos anos 90 (sendo que algumas destas coisas são obviamente do início do milénio), vão reconhecer tudo isto.

1. As grandes decisões da vida eram tomadas escolhendo um número e uma cor


2. Tínhamos as melhores paisagens do mundo no nosso ambiente de trabalho


3. E deixávamos de mexer no computador durante minutos só para ver tubos a serem construídos



4. Lemos os melhores livros de terror



 5. Era isso ou livros que implicavam jogos com dados e decisões que podiam muito bem acabar na nossa morte


6. Tínhamos canetas com 10 cores e escrevíamos com todas ao mesmo tempo se fosse preciso




7. E se isso não chegasse, dávamos uso ao nosso estojo de Picasso



8. Coleccionámos tazos 



9. O nosso animal de estimação era virtual


10. Ou mais ou menos real mas igualmente irritante


 


11. Usávamos pulseiras com os nossos nomes



11. Os acetatos eram sempre mal postos à primeira



12. Fazíamos arte com uns meros fios de plástico (sabem lá o tempo que demorou encontrar esta imagem)  


13. Todos conhecemos alguém que tinha um destes tapetes



14. Passas-me essa música?


15. A nossa maior alegria era acabar o solitário


Questões que assolam a humanidade #21

questões que assolam a humanidade 13:30

Qual é a diferença entre fettuccine e tagliatelle?

Eu adoro massa. Se tivesse de escolher uma coisa para comer para o resto da vida seria massa porque se pode fazer de mil e uma formas (isto para quem sabe cozinhar porque eu acabaria a comer massa com atum dia sim, dia não). Há dias, ao abrir um pacote de fettuccine, apercebi-me que há uns anos o continente vendia exatamente a mesma massa com o nome de tagliatelle. Como a minha mente já está programada para pensar nas grandes questões, comecei logo a interrogar-me sobre a diferença entre uma massa e outra. A nível estético eram iguais portanto seria de esperar que o sabor fosse diferente (como se a massa não soubesse praticamente toda ao mesmo). É igual.

Tudo isto levou a que eu fosse pesquisar sobre as diferenças entre uma coisa e outra (e nesta pesquisa descobri que há mais tipos de massas do que receitas de bacalhau). Há quem diga que fettuccine é mais larga e há também quem diga o contrário. Isto levou-me a concluir que são a mesma coisa: umas tiras largas de massa que eu deixo constantemente que se colem umas às outras enquanto as cozinho. Não feliz com esta conclusão, investiguei mais um pouco (porque eu gosto de vos dar todas as informações) e a único informação que encontrei em mais do que um sítio e que me pareceu aceitável foi o facto de serem realmente a mesma coisa mas o nome depender do local onde estamos. No norte de Itália come-se tagliatelle, no centro come-se fettuccine. É uma espécie de ténis (que os lisboetas insistem em usar como referindo-se a calçado como se não fosse um desporto) e sapatilhas. Portanto já sabem, se forem a Roma peçam fettuccine e se forem a Milão peçam tagliatelle. Ou então isto está tudo errado como a maioria das coisas que se encontram na net.