"O meu negócio é melhor que o teu"; "Não, o meu é que é"

Benfica 22:03
Não se fala em mais nada. Já nem se fala de futebol. O que importa são os milhões que a NOS e a MEO pagaram pelos direitos de transmissão dos jogos de Benfica, Sporting e Porto. Primeiro apareceu o Benfica com 400 milhões. Chega e o Porto e bam 457 milhões. Vem o Bruno dizer que o Sporting não estava em saldos e no dia seguinte já se fala em 515 milhões. Se houvesse mais "grandes" em Portugal, continuávamos nisto infinitamente.

Qual foi o melhor negócio? Onde é que os adeptos vão ver os jogos? São as duas perguntas que mais se têm feito nos últimos dias. Na verdade não podia querer saber menos disto. Primeiro porque milhões não me servem para nada se o Benfica continuar a apresentar o futebol miservável com que nos tem presenteado. Segundo, porque os negócios não mudam nada quanto a canais onde ver a bola. A internet continua a existir para todos quantos são Inácio, como eu.

Mas, agora a sério, quem é que fez o melhor negócio? Parece ser unânime que foi o Benfica. Apesar de ter o valor mais baixo, o negócio com a NOS inclui apenas a BTV e os direitos de transmissão dos jogos do Benfica em casa. Já os outros dois negócios incluem publicidade estática nos estádios e patrocínios nas camisolas (patrocínios esses que o Benfica tem assegurados por 3 anos com a Emirates). Além disso o negócio do Benfica é por 3 anos com a opção de renovação até 10. Melhor do que ler as minhas explicações, é ver a tabela abaixo:


Então como é que um adepto Benfiquista que é assinante da MEO vai ver o Benfica? Há três opções: muda para a NOS, vai para o café ou passa a ser Inácio. Isto numa  perspectiva mais simplista. Numa versão mais séria parece haver duas opções:

A criação de um novo canal desportivo abrangido pelas duas operadoras (o que me parece bastante bem caso me ofereçam um emprego);

A compra de jogos por assinantes de outra operadora. Portanto o adepto Benfiquista assinante da MEO iria comprar os jogos que queria ver, um por um, como acontece noutras ligas.

Sucintamente parece ser isto. O Benfica joga mal, mas fez um bom negócio. Isso é que interessa. 

It's Christmas Time!

natal 14:00
Este texto foi escrito ontem porque a esta hora eu estou a fazer uma de quatro coisas:

Fazer doces/bolos;
Comprar aquele ingrediente que falta para o doce/bolo;
Embrulhar as últimas prendas;
Distribuir prendas.

Sim, porque o dia 24 é sempre uma correria. Sobretudo se o jantar for cá em casa (o que não acontece há algum tempo para bem das minhas costas e pernas).

De qualque das formas quero apenas desejar a quem quer que esteja a ler isto um feliz Natal cheio daquelas coisas fantásticas que as pessoas escrevem sempre nestes textos.

Joguei no Placard...

placard 13:00
... e ganhei.

Confesso que me sentia um bocado excluída da sociedade por nunca ter jogador no Placard. Finalmente tirei uns minutos da minha vida para entender o jogo e ganhei 2,5€. E não, o Placard não é complicado. E para quem nunca jogou: tratem disso porque ganhar é relativamente fácil. Claro que apostando pouco é impossível enriquecer, mas todos os cêntimos são bem vindos.


O Placard está dividido entre apostas simples e combinadas. Nas simples apostam determinado valor por cada jogo (se apostarem 2€ em três jogos terão de pagar 6€) e ganham por cada jogo (esses 2€ são multiplicados pelo valor da odd do clube em que apostaram). Nas combinadas apostam obrigatoriamente em mais que um jogo (podem apostar 1€ em oito jogos) mas só ganham se todos os jogos terminaram com o resultado que previram. É tão simples quanto isto.

Para vos dar o exemplo, eu apostei 1€ em três jogos e todos acabaram exactamente como eu previ (e não é preciso ser genial, porque era óbvio). Conclusão: vão jogar no Placard. No máximo perdem, mas a probabilidade de ganharem é bastante maior que no Euromilhões ou nas raspadinhas.

Letras com nota artística #6: "Last Christmas"

letras 17:30



Já há muito tempo que não me dedico à análise de letras de músicas. Mais por falta de paciência do que outra coisa. Tenho algumas em lista de espera, mas a parvoíce que vão demorar cinco minutos a ler, demora mais que isso a escrever. Sim, ser-se parva dá um trabalhão que não imaginam. Mas vamos então atentar na letra de uma das minhas canções de Natal preferidas: Last Christmas dos Wham!

"Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.
Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.

Once bitten and twice shy
I keep my distance
But you still catch my eye.
Tell me, baby,
Do you recognize me?
Well,
It's been a year,
It doesn't surprise me
(Merry Christmas)
I wrapped it up and sent it
With a note saying, "I love you,"
I meant it
Now I know what a fool I've been.
But if you kissed me now
I know you'd fool me again.

Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.
Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.

A crowded room,
Friends with tired eyes.
I'm hiding from you
And your soul of ice.
My god I thought you were someone to rely on.
Me? I guess I was a shoulder to cry on.
A face on a lover with a fire in his heart.
A man under cover but you tore me apart, ooh-hoo.
Now I've found a real love, you'll never fool me again.

Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.
Last Christmas
I gave you my heart
But the very next day you gave it away.
This year
To save me from tears
I'll give it to someone special.

A face on a lover with a fire in his heart (I gave you my heart)
A man under cover but you tore him apart
Maybe next year I'll give it to someone
I'll give it to someone special.
Special...
Someone..."

 A meu ver, há três maneiras de interpretar esta música e, por isso mesmo, vou focar-me apenas no refrão da mesma caso contrário era Natal e eu ainda estava a esmiuçar isto.

1. A óbvia. É a maneira como toda a gente interpreta a música: um desgosto amoroso. Logo nesta interpretação menos trabalhada vemos a estupidez que é esta letra. Portanto falamos de um indivíduo cujo amor foi rejeitado pela pessoa a quem "ofereceu" o seu coração. Até aqui tudo bem. Mas há uma solução para que o coração "oferecido" não fosse devolvido no dia seguinte: não enviar o talão de devolução/troca. O problema é quando o indivíduo diz que este ano vai "oferecer" o seu coração a alguém especial. Daqui deduzimos uma de duas coisas:

Que o indivíduo no Natal passado "ofereceu" o seu coração a alguém que não era especial e portanto é estúpido;

Que o indivíduo achava que estava a "oferecer" o seu coração a alguém especial no ano passado que depois provou que não o era e portanto é estúpido por achar que este ano consegue perceber exactamente quem é e quem não é especial.

2. A literal. É a que me vem de imediato à cabeça cada vez que oiço esta música. Se o indivíduo ofereceu o seu coração no ano passado, como é que o vai oferecer novamente este ano? Não é suposto uma pessoa falecer sem coração? Além disso, quem é que quer receber um órgão no Natal? Antes uma meias.

3. A verdadeira. Esta música fala de tráfico de órgãos (ou numa versão mais soft de transplantes), senão vejamos: um indivíduo precisa de um coração novo para viver e eis que o indivíduo da canção lhe oferece o dele (claro que primeiro tem de falecer). Transplantes de coração devem ser complicados e, portanto, no dia seguinte, o indivíduo que recebeu o coração rejeitou-o. Assim sendo, esse mesmo coração fica numa qualquer câmara frigorífica para que no ano seguinte possa ser doado a outra pessoa. Parece-me óbvio. 

Sobre o concerto do David Fonseca na sua terra natal

concertos 21:46
Já tinha dito aquando do post sobre o concerto mais pequeno do mundo sobre rodas que ia ver o concerto do David Fonseca dia 10. E fui. Felizmente a Sara foi suficientemente fixe para não me deixar ir sozinha e ainda aproveitámos a ocasião para fazer troca de prendas (agora tenho 76 pares de brincos)!

Teatros nunca foram nem hão-de ser o melhor local para assistir a concertos. As cadeiras levam a que fiquemos sentados quando na verdade devíamos estar de pé a aplaudir até à exaustão. E o público leiriense é difícil. Mesmo com um artista da terra. Não deixa de ser engraçado o facto de ter visto pessoas de todas as idades. De facto, o David há-de ser um dos artistas que conheço com o público mais heterogéneo de sempre. Dos mais novos aos mais velhos, homens e mulheres, quem gosta de música com toques de rock, gosta dele.

O concerto abriu com "Futuro Eu" e "Chama-me Que Eu Vou", os dois primeiros singles do álbum. Era proibido tirar fotos. E quando digo "proibido", é mesmo isso que quero dizer. As "senhoras do teatro", como o cantor lhes chamou, passaram o concerto "em cima" das pessoas que tentavam sequer mexer no telemóvel. Leiria é provavelmente a única cidade do país onde "é proibido filmar ou tirar fotos" significa "é proibido filmar ou tirar fotos" (o que não me faz confusão tendo em conta a pobre qualidade da câmara do meu telemóvel).

Mas o concerto continuou com uma fraca interacção com o público que achei estranha. Foi com essa interacção que fiquei super fã do David. Fui vê-lo no ano passado ao Casino de Lisboa sem conhecer grande parte das suas músicas e ele convenceu-me com aquele lado mais louco em palco e com a forma como falava com o público. Eu e a Sara ainda tentámos algures começar a aplaudir no meio de uma música. Não funcionou. Imediatamente antes da minha canção preferida ("Superstars") eis que o David decide realçar aquilo em que já todos tínhamos reparado: estar num teatro numa cidade tão pequena, impede o público de "soltar a franga". Levanta-se metade da sala para dançar (ou fazer o que eu faço que não é bem o mesmo) ao som de "Superstars". As pessoas atrás de nós estavam sem vontade, mas lá tiveram de resistir à tentação de estar sentadas.

Ouvimos a história do Pedrógão (de que já tinha falado no post do concerto mais pequeno do mundo) e ouvímos também a história de um indivíduo que pôs no OLX um anúncio deveras peculiar que, infelizmente, já não está online. Mas era um homem à procura de companhia para ir ao concerto do CCB. Mas tinha de ser uma mulher culta, se fosse burra já não servia.

Houve dois encores. O que é estranho, mas genial. Eu sempre disse que, se fosse cantora, ou não fazia encore ou fazia mais que um para ver quem se ía embora. Foi o concerto mais longo a que assisti. "No máximo à meia-noite estou em casa", disse eu aos meus pais. À meia-noite estava o concerto a acabar e começou por volta das 21.45 (mais coisa, menos coisa). Ainda houve tempo para se bater um recorde do guiness (ou, neste caso, criar um novo). Isto porque, diz o David, as autarquias têm todas um livro de recordes do guiness para quando algo corre mal. "Epa isto está mau, o pessoal já não simpatiza comigo, que recorde é que podemos bater?". Nesse dia tinha sido a de maior árvore de pessoas do mundo. Acho que ele se esqueceu que, a uns metros do Teatro, estava uma árvore de Natal de paletes no centro de Leiria também no guiness (quem é que se lembra de fazer um recorde destes?). Ele também queria estar no livro. Como a canção mais pequena do mundo era impossível de rivalizar (é só uma nota) e a maior tem dois meses, decidiu fazer a menor canção e menor aplauso do mundo. 

A única coisa que me "chateou" foi de facto o público até certo ponto. Mas acabou toda a gente (à excepção das duas ou três filas à minha frente) a dançar e cantar ao som de "What Life Is For". Voltava a pagar os 14.5€ sem qualquer problema. Mas queria ir para a fila da frente, para onde havia dois lugares livres (morram pessoas que compraram os bilhetes e não foram!). Mesmo que fosse para ouvir "canções tipo Festival da Canção de 1970". É uma pena Leiria não ser Nova Iorque. Se fosse, não seríamos apenas nós os sortudos que podem ouvir e ver o melhor artista deste país!

Não posso precisar a ordem das canções, mas fica aqui o alinhamento (se a minha memória não me falha):

- Futuro Eu
- Chama-me Que Eu Vou
- Superstars
- Stop 4 A Minute
- Someone That Cannot Love
- Deixa Ser
- Só Uma Canção No Mundo
- Sem Aviso
- U Know Who I Am
- Funeral
- Hoje Eu Não Sou
- Cry 4 Love
- Agora É A Nossa Vês
- Não Dês Só P'ra Tirar
- Eu Já Estive Aqui
- What Life Is For
- Deixa A Tua Voz Depois do Tom
- The 80's
- Kiss Me, Oh Kiss Me

Somos todos Tonel

Benfica 21:42
Estava o Benfica a jogar muito mal (coisa bastante rara esta época como já devem ter reparado) e, de repente, o guarda-redes da Académica, arma-se em Tonel e derruba estupidamente o Gaitan que já nem conseguia chegar à bola. Golo do Jonas.

Continuou o jogo com o Benfica a jogar muito mal e eis que um jogador da Académica decide cortar com o braço uma bola que ia direitinha ao Mitroglou. Só um árbitro cego é que não via aquilo. Golo do Jonas.

E par mostrar quem é que manda ali ainda vai o Renato Sanches e protagoniza o único momento de futebol da noite: um daqueles golaços que só pode ser marcado por alguém que tenha nascido umas dez vezes.

Conclusões: golos 3 - 0 futebol. De facto o que é preciso é dar tempo ao Rui Vitória. A equipa joga cada vez pior, mas não se pode ter tudo. Praticar bom futebol e vencer é para o Bayern e afins. Nós temos de nos contentar com isto.

Concerto mais pequeno do mundo sobre rodas com David Fonseca

concertos 18:39
Já todos ouviram falar no concerto mais pequeno do mundo. É uma iniciativa da Comercial em que um artista actua perante um pequeno grupo de pessoas (geralmente num hotel em Lisboa ou no Porto). A ideia aqui é a mesma, mas com o bónus de percorrer várias cidades do país. Durante a semana passada (nos cinco dias úteis) David Fonseca percorreu dez cidades do país (duas por dia) e convidou os seus fãs a entrarem numa auto-caravana para o ouvirem. Não era preciso inventar frases bonitas ou acumular gostos num qualquer comentário no facebook. Bastava aparecer e levar a peça de fruta que era pedida um pouco antes (frutas essas que foram entregues a uma associação).

Já tinha dito que andava viciadíssima no mais recente álbum do David Fonseca e não havia outra solução que não fosse ir a Leiria na passada sexta-feira para fazer parte desta iniciativa genial. "Vou lá vê-lo e assim já não gasto 15€ no bilhete para ir ao concerto", dizia eu. Não podia estar mais enganada. Ter feito parte desta experiência só fez com que eu tivesse a certeza de que tinha de pagar os 15€ para o concerto de dia 10. Confesso que sou o género de pessoa que quase se recusa a pagar artistas portuguesas porque, mais tarde ou mais cedo, vou poder vê-los numa qualquer festa de verão gratuitamente. Mas desta vez paguei. A verdade é que sou forreta, mas quando se trata de gente que eu admiro, deixo isso de lado. E uma tour de promoção de um álbum inteiramente em português de um cantor que sempre me habituei a ouvir em inglês merece que eu lá esteja. Sobretudo porque o álbum é completamente genial. Desde as canções, ao conceito, às formas de promoção que não lembram a ninguém.

Eram 18h e lá estava eu prontinha para ir para uma fila (que já tinha oito pessoas) em frente ao mercado de Sant'Ana (lugar escolhido para estacionar a auto-caravana). Com uma maçã nas mãos (a fruta pedida) lá entrei juntamente com mais 11 pessoas e deixei outras tantas lá fora. O David lá nos contou que tinha deixado Leiria para último para ficar mais perto de casa e tentou que uma coluna funcionasse. Mas depois de tantos concertos durante a semana, decidiu fazer birra. Acabámos por ter direito a três canções em versão acústica. Não sou louca por acústicos como muita gente, mas soube bem ouvir "Chama-me que  eu vou" só ao som da viola. A juntar a esta canção (que está na minha cabeça há semanas) ouvimos também "Deixa Ser" e "Não dês só p'ra tirar" (a culpada de o álbum ser em português).

Tivemos direito a ouvir um episódio da vida do cantor passado no Pedrógão (aquele lugar para onde toda a gente da zona vai de férias menos eu, que odeio praia) e no final recebemos todos um CD. Juro. CDs para todos. Não podem imaginar a minha felicidade a receber aquele "Futuro Eu". Estava na minha lista de prendas de Natal, mas o Pai Natal não o ia trazer autografado. 


A opinião sobre a opinião política dos portugueses

politiquisses 14:34
Já venho um pouco tarde para falar sobre a queda do governo, não venho? As opiniões multiplicam-se pela internet e pelos cafés e é precisamente por isso que eu não venho dar a minha opinião sobre a queda do governo. Sobre isso já todos falaram e dificilmente eu iria conseguir acrescentar algo relevante a essa discussão (até porque grande parte daquilo que eu digo é completamente irrelevante). Assim sendo, venho dar a minha opinião sobre a opinião dos portugueses.

É difícil agradar ao povo português. Tão depressa chamam gatuno ao Passos Coelho, como uns dias depois lhe erguem um altar. Até ao dia em que o Presidente da República indigitou o governo, queriam todos untar o Primeiro Ministro e o Vice com cola super três, fazê-los rebolar em alcatrão acabadinho de fazer, mandar-lhes uns litros de gasolina para cima e acender um fósforo nas suas cabeças (que ficavam sem alcatrão para se poderem ouvir melhor os gritos de dor). Assim que se começou a falar em acordo à esquerda, já queriam todos erguer um novo santuário em Fátima às mesmas pessoas a quem desejavam uma morte dolorosa.

Entre o momento em que se insultavam com palavras menos bonitas os líderes do governo português e aquele em que estes são considerados os melhores governadores de sempre, passaram 11 dias. Paulo Portas demitiu-se "irrevogavelmente" a 2 de julho e foi nomeado vice a 24 de julho. Os portugueses fartaram-se de criticar mas Paulo Portas demorou o dobro do tempo destes a pensar se devia ou não voltar atrás com a sua palavra.

Se António Costa for indigitado Primeiro Ministro acredito que passados cinco dias e meio (para termos uma estatística por onde nos guiarmos para eventos futuros) os portugueses vão estender passadeiras vermelhas por todos os lugares onde o líder do PS passar. O povo português é mais difícil de satisfazer que uma criança bipolar. 

Parabéns ao Sporting

sporting 17:19

Estou a escrever já isto porque temo que em maio vou estar demasiado aziada para dar os parabéns a um clube que não ganha o campeonato há 15 anos. Quem não se lembra do colinho? Eu lembro e, curiosamente, este ano nenhum sportinguista se atreve sequer a mencioná-lo. No ano passado, diz o Bruno, não fosse o colinho e eu não tinha ido ao marquês. Este ano o campeonato está justíssimo. 

O mais engraçado é que Bruno de Carvalho quer passar uma imagem de pessoa muito a favor da verdade desportiva mas quando é a seu favor já está tudo bem. Às tantas a verdade desportiva dele é diferente da minha. Eu odeio que o meu clube ganhe com ajudas de árbitros e quem me conhece sabe que eu sou a primeira a admiti-las, mas isso sou eu.

Imagens daqui

O que se viu ontem no jogo frente ao Arouca foi ainda melhor do que o que já tínhamos visto na jornada passada. O Naldo fazer um penalti? Não, nunca. O Sporting marcar no último minuto? Ainda não tinha acontecido esta época. O mais triste é que isto só prova que o Jesus é um péssimo treinador quando não está num dos melhores. Sim, porque as exibições do Sporting são péssimas. O que é certo é que o Lito Vidigal tem mais minutos na liga que o Cristante e, se o mundo fosse justo, teria mais minutos que o Pizzi, mas isso já é outra conversa.

O que é que tem mais piada?

15:07
a) a capa da GQ deste mês

b) as publicidades do Paulo Futre


O dia do ano com maior stock de doces

17:13
1 de novembro é para muitos apenas mais um feriado que até há pouco tempo era celebrado. Também é assim para mim. Mas, quando era criança, 1 de novembro era um dos melhores dias do ano. Até aos meus 18 anos pensava que era assim para todas as crianças. Não podia estar mais enganada. Foi preciso ir estudar para a capital para perceber que o "dia do bolinho" não o era para toda a gente.

O que é o "dia do bolinho"? Basicamente era o dia em que saíamos à rua para pedir "bolinhos" às pessoas com um "ó tia dá bolinho, em louvor de todos os santinhos" ou, numa versão mais hard core "ó tia dá bolinho, com a cavaca no focinho". O funcionamento é simples, mas o planeamento nem tanto. Fazíamos quilómetros para percorrer o maior número de ruas possíveis. Chegámos a subir subidas (e depois também descíamos as descidas) enormes por quatro casas que nos davam chocolates (em duas eram sempre tabletes e numa outra um ovo kinder, portanto valia a pena).

Levantávamo-nos cedíssimo para conseguir percorrer todas as ruas a que nos tínhamos proposto no trajecto previamente definido (como se precisássemos de trajecto para lugares que conhecíamos tão bem) e, à hora de almoço, lá tínhamos uma hora para almoçar e despejar a quantidade de bolos que trazíamos na mala. O mais engraçado é que ninguém comia os bolinhos e estes pesavam toneladas durante os quilómetros que percorríamos. Mas não importava. O que importava era o convívio e os doces que trazíamos de casa. Recebi um pouco de tudo ao longo dos anos: bolinhos, rebuçados, tabletes de chocolates, bolachas, chocolates, castanhas e até dinheiro (e quando já sabíamos que a pessoa ia dar dinheiro, separavamo-nos em grupos mais pequenos para nos darem uma moedinha de maior valor).

Questões que assolam a humanidade #8

questões que assolam a humanidade 18:24

Quem é que se lembrou de mudar a hora?

Eu até percebo o porquê da mudança da hora. No inverno as horas de luz são menos e por isso é preferível distribui-las o mais equitativamente possível entre manhã e tarde. Até chega a fazer algum sentido. O que me faz confusão é o surgimento da ideia. Quando é que começou a mudar a hora? Quem é que se lembrou de o fazer? E como é que todos os fusos horários têm essa regra?

Diz o Observador que esta regra se verifica desde 1916 como forma de poupar energia. Eu a pensar que havia realmente uma razão lógica como "não queremos acordar às 9 da manhã e ser de noite", mas afinal era só para poupar energia. Custa a acreditar que todos os países tenham aderido a esta ideia. Mas o mais ridículo é mesmo o facto de a hora atrasar ou adiantar ao fim de semana. Se era para atrasar a hora, que fosse a um dia de semana para as pessoas poderem dormir mais. Quando chegasse a hora de adiantar, fazia-se a uma sexta-feira durante o dia. Fica a sugestão. E preferencialmente sempre no mesmo dia, porque isto do "último domingo de outubro" não dá com nada.

A infelicidade de já estar no Euro

Euro 2016 17:00
A selecção está apurada para o Euro 2016. Ora cá está uma excelente altura para aumentar impostos. Pessoalmente não posso dizer que estou muito contente com isto. Qual é a piada de ver a selecção qualificar-se directamente para uma grande competição? Faz-me falta fazer mil e uma contas e vai certamente fazer-me falta o relato do Nuno Matos nos jogos do play-off onde não estaremos. Onde é que já se viu uma qualificação quando ainda falta um jogo que nem vale a pena fazer porque a Sérvia há muito que está fora do Euro? Fernando Santos é uma miséria.


Mas, mesmo sendo uma miséria, parece-me lógico tratar já de um contracto vitalício para o treinador. É preciso prevenir a todo o custo que aconteça à selecção nacional aquilo que está a acontecer com a selecção grega. É possível que seja o karma a atacar. Mas eles continuam a ter uma taça e nós nada.

Notem que Portugal está no 4.º lugar do ranking da FIFA. É normal que a imagem da FIFA esteja cada vez menos credível. Uma equipa onde o Nani é titular nunca poderia ser a quarta melhor do mundo, sobretudo com exibições destas e com um golo por jogo. A jogar assim, nem a fase de grupo passamos em França. Com sorte jogamos com a Alemanha, levamos 10 e o Ronaldo, esse grande capitão, no final vem dizer "esta equipa é uma m*rda" (por outras palavras, mas vai ser isto). Ahh, o meu optimismo surpreende-me sempre!

É muito por aí

18:08

Da saga "se quiséssemos"...

bruno de carvalho 18:16
"Se quiséssemos o Mitroglou, já o tínhamos"

"Se quiséssemos o patrocínio da Emirates, já o tínhamos"

Aguardo um: "se quiséssemos se campeões, já o éramos"

The Chaaaaaaaampions!!

Benfica 16:58

Está de volta aquela competição que todo o adepto de futebol venera. Onde quase não há jogos maus. Onde as equipas são todas (ou quase todas, vá) fortíssimas. Está de volta a Liga dos Campeões e hoje é dia de Benfica - Astana. Quem é o Astana? Há-de ser o melhor (e provavelmente o único) clube do Cazaquistão. Se jogarmos ao nível de sexta conseguimos uma goleada. Se jogarmos como nos restantes jogos, damos uma alegria ao pessoal do Cazaquistão. Portanto é melhor jogarmos como sexta-feira, que eu sou boa pessoa mas não ao ponto de querer que o Astana ganhe ou empate ou faça um remate sequer.

Hoje a minha mãe fez-me a seguinte pergunta: "o que é que é o jantar?". Respondi que quem sabia era ela e ela teve a brilhante ideia de dizer "mas eu não faço o jantar hoje". "Nem eu, hoje joga o Benfica à hora de fazer o jantar", respondi. "Então não comes", disse ela. "Ok". A conversa acabou da mesma forma que acabam todas as conversas com a minha mãe: com ela aos gritos a dizer que eu não faço nada e só quero saber do Benfica. Não sei se vou jantar ou não, mas sei que há cereais cá em casa.

Campeões da comunicação social

Benfica 16:54
Hoje passei os olhos pelas capas dos desportivos e O Jogo dizia algo como "Mourinho queria Luisão" e o Record algo do género "Vieira segurou Luisão". Saí da papelaria a rir, como era de esperar. Luís Filipe Vieira é o grande campeão da comunicação social neste país.

Ponto 1. Para que raios é que o Mourinho queria o Luisão? Não desfazendo do capitão (que é um dos meus jogadores preferidos do Benfica), os 30 e muitos anos não me parecem uma boa aposta para um clube que luta pelas competições internas e europeias (se bem que este ano parece que lutam pela permanência na Premier League). 

Ponto 2. O LFV não podia pedir aos jornalistas que escrevessem sobre um clube menos famoso? Ele chegou a olhar para o plantel do Chelsea? Uma pesquisa rápida na wikipédia mostrava-lhe que o Luisão não tinha lugar no Chelsea. Ficava com o lugar de quem? Do Terry?

Mas que o presidente do Benfica sabe como se defender dos seus erros, ninguém pode negar. Fecha o mercado e o Benfica continua sem laterais. Muito se falou do regresso do Siqueira que, segundo o Correio da Manhã (essa fonte fidedigna) não aconteceu porque o Jorge Mendes esteve "incontactável". 

Conclusão: Temos a equipa menos forte dos últimos anos, mas se não fosse LFV, nem capitão tínhamos. Amanhã vou a Fátima acender uma vela e rezar pelo presidente!

Letras com nota artística #5: "Às vezes"

letras 16:52

Há uns dias na rádio estava a dar esta música da banda do Bernardo Silva. Ouvi o primeiro refrão, mudei para a RFM e (supresa!) estava a dar kizomba. É fácil perceber que nem uma coisa nem outra faz propriamente o meu género musical. Acabei a ouvir o relato do Porto na Antena 1 e não duvido que foi a minha melhor escolha. Mas, uma vez que tive o prazer de ouvir alguns versos de "Às vezes", pareceu-me uma boa aposta para esta rubrica (e para os fãs da banda me odiarem). 

Qual não foi o meu espanto quando vi este "oficial lyric video". Antes de passar para o conteúdo, atentem na letra que nos é apresentada no vídeo do canal oficial da banda. Vejam o vídeo (sim, pode ser sem som) e contem os erros comigo (os repetidos também contam).


"Ás vezes não sei o que queres e digo ok
Ás vezes não sei o que faço e tu ta bem
Ás vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguem

Ás vezes não sei o que queres e digo ok
Ás vezes não sei o que faço e tu ta bem
Ás vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguem

Sei que às vezes eu não estou do teu lado (ok)
E não te ligo por estar muito ocupado (tá bem)
Tu não mereces eu deixar-te nesse estado (eu sei)
Desculpa não ser esse príncipe encantado
Quando não respondo, não sei porque é que me escondes, sabes

Que sou teu, mas queres um romance apertado
As vezes é um sufoco, outras vezes fico louco e dizes
"Não tens razão pra te sentires enganado"
Eu sei que me contas coisas que não contas a mais ninguém
E perguntamos ao tempo quanto tempo o tempo tem
Passam, horas, dias, choras, sei que está tudo errado dizes

Não vás embora, fica, mais um bocado
Eu fico sempre por perto por mais voltas que dês
Tu sabes, que eu não me apego, depois vens com porquês
Imaginas essas histórias tipo "era uma vez"
Baby, eu sou a folha em branco dos romances que lês

Ás vezes não sei o que queres e digo ok
Ás vezes não sei o que faço e tu ta bem
Ás vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguem

Ás vezes não sei o que queres e digo ok
Ás vezes não sei o que faço e tu ta bem
Ás vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguem

shhh eu não digo a ninguém
que me queres e preferes aos outros que tu tens
Eu sei, que é difícil quando o clima é propício
Controlares esse teu vicio que tens por mim desde o início, ok
Eu quero e faço por isso e tu queres um compromisso
E eu sou mais de improviso e tu só queres ficar bem
E ficas doida comigo porque tens noção do perigo
Mas eu não sei se consigo dar-te tudo o que tenho
Sabes que te quero embora seja às vezes
Tento ser sincero, só que, tu não me entendes
Não tenho culpa, mas não sinto o que tu sentes
Hoje ficas cá em casa, uma vez não são vezes

Ás vezes não sei o que queres e digo ok
Ás vezes não sei o que faço e tu ta bem
Ás vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguem

Ás vezes não sei o que queres e digo ok
Ás vezes não sei o que faço e tu ta bem
Ás vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguem

Oh e eu não digo a ninguém
Eu sei

Sobe, que eu não digo a ninguém
Cora, que eu não digo a ninguém
Fica, que eu não digo a ninguém
Podes fazer o que quiseres que eu não digo a ninguém.

Ás vezes não sei o que queres e digo ok
Ás vezes não sei o que faço e tu ta bem
Ás vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguem

Ás vezes não sei o que queres e digo ok
Ás vezes não sei o que faço e tu ta bem
Ás vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguem"

Se as contas não me falham, há 43 erros de português neste vídeo, e a letra nem está completa. Eu a fazer ditados no primeiro ano dava menos erros que a pessoa que escreveu isto. Camões neste momento está às voltas no caixão. Ou ás voltas, como diriam os Dama. 

Mas passemos ao conteúdo. 

"Às vezes não sei o que queres e digo ok". É uma táctica genial. Eu própria uso e abuso dela. Desta e do aceno de cabeça sempre que não percebo o que me disseram. Claro que as pessoas que já me conhecem bem sabem sempre quando é que eu não percebi. 

"Uma vez não são vezes". Sai um prémio para o autor da letra. Podia jurar que vezes e vez são a mesma coisa. Porque "uma" nem pressupõe o uso do singular e "vezes" não é plural. Depois da descoberta do Galileu de que era a Terra que girava à volta do sol (ou á volta), parece-me que esta é a maior descoberta da Humanidade.

"Tu não mereces eu deixar-te nesse estado". Foi o Jesus que escreveu este verso? (ou, neste caso, a letra toda).

Com tanta letra (a maioria num português com um acordo ortográfico diferente do que toda a gente usa) é difícil perceber sobre o que é a música. Então isto é sobre um rapaz que nunca tem tempo para a namorada ou é a namorada que o anda a enganar? Isto é quase tão complexo como aquele poema do Álvaro de Campos sobre as máquinas que ouvimos nas aulas de português com a voz do Mark Landers do Oliver e Benji. E o que é que ele não diz a ninguém (ou ninguem) afinal? 

Tenho demasiadas perguntas sobre este tema e sobre a banda em si. A maior de todas será mesmo, como é que estes três (sendo que um deles canta especialmente mal) conseguiram chegar ao patamar em que estão na música portuguesa? Não respondam. Das últimas vezes que ouvi rádio, percebi perfeitamente. 

A genialidade de Rui Vitória

Benfica 17:58
Durante muito tempo duvidei das capacidades do treinador do Benfica, mas esse tempo acabou. Finalmente percebi o que é que ele está a fazer no Benfica e o plano dele é genial. Já lá vai o tempo em que o Benfica goleava e fazia grandes jogos. Agora estamos numa fase em que jogamos mal para enganar. Sim, porque custa-me a crer que os jogadores do Benfica joguem tão mal como vimos ontem. Mas enganam bem, não enganam? É esse mesmo o objectivo do Rui Vitória: enganar os adversários durante quase todo o jogo e a 15 minutos do final mudar de um 4-4-2 para um 3-4-3 e marcar tudo. Só perderam com o Arouca para manter esta estratégia bem camuflada. Até quando é que dura o contracto do Rui Vitória? Parece-me prudente renová-lo já e aumentar a cláusula de rescisão, não vá o Chelsea querer o treinador do Benfica para substituir o Mourinho.

Agora a sério: isto vai continuar assim? Se for, começo a ver só os 15 minutos finais de cada jogo porque isto assim não se aguenta. Mais, se é para ver jogos tão maus, pago as cotas do Leiria e vou ao estádio ver os jogos de borla. Se for preciso eu ofereço-me para ir ao Seixal ensinar aos jogadores como é que se faz um passe. E faço-o de borla. Não garanto resultados mas já dizia o tiririca: pior do que está, não fica.

O agradecimento que ninguém fez ao Ola John

Benfica 18:35
Hoje levantei-me e a minha mãe disse-me: "então o Benfica lá ganhou, não é verdade? Mas não era aquele treinador que não valia nada?". Como adepta da bola que sou, comecei logo a contrariar-me a mim mesma. Dizia eu: "não valia nada? Quem é que disse isso? Alguém que não percebe nada de futebol, só pode, porque qualquer adepto da bola que perceba o mínimo sabe que Rui Vitória é o melhor do mundo". A minha mãe começou inevitavelmente a rir. Não percebi. Juro. Até parece que eu não apoio o Rui Vitória desde o primeiro dia. Até parece que questionei o facto de ter deixado o Samaris a aquecer o banco. Até parece que levei as mãos à cabeça quando vi que ia entrar o Victor Andrade (ou, como diz a minha mãe: quem?). 

Quem vir apenas o resultado possivelmente pensa que o Benfica fez uma exibição "com nota artística", como dizia o outro. E fez. Depois do golo do Mitroglou pareciamos o Bayern. Antes disso o Júlio César salvou-nos. É para isso que ele lá está, não é? Fizessem todos o que devem e o Benfica demolia todas as equipas deste campeonato. Infelizmente nem todos fazem o que devem. 

Há quem diga que o Benfica ganhou o jogo no banco. Não podia ser mais verdade. Mas a maioria acha que a entrada do Victor Andrade (ou, como diz a minha mãe: quem?) deu outro alento ao lado direito do ataque. Não concordo. A culpa do Benfica começar a marcar não foi do Victor Andrade (ou, como diz a minha mãe: quem?) mas sim do Ola John. Viram como o Benfica começou a marcar assim que o Ola John saiu? Não há coincidências. Dão os louros ao Victor Andrade (ou, como diz a minha mãe: quem?) quando os deviam dar ao Ola John. Vergonhoso.

Vergonhoso é também a quantidade de mau futebol que o Talisca pratica. O Mourinho não o queria? Por alguns milhões está à vontade para o levar. O Chelsea não há-de ficar pior, certo? Mas o mais vergonhoso foi o facto de o Samaris ter ficado no banco. Não tanto porque fez imensa falta e o Fejsa é mais fraco que ele, mas antes porque a BTV perdeu 90% da audiência feminina ontem (para quem não sabe do que eu falo, é ver os comentários das fotos dele no intagram e facebook, é rir sem parar). Para a próxima, e para rentabilizar a BTV, é pores o Samaris à frente do Fejsa, porque 10 milhões não são para ficar sentados no banco, sim Rui?

Questões que assolam a humanidade #7

questões que assolam a humanidade 16:26
*inserir imagem de apêndice*

Para que é que precisamos do apêndice?

Todos nós conhecemos pelo menos uma pessoa que já tirou o apêndice, certo? Então se o podemos tirar, para que é que ele serve? A meu ver o apêndice é uma espécie de peça suplente que nunca vai servir para nada. É tipo aquele botão que vem dentro de um saquinho nas camisas. Nós sabemos que nunca o vamos usar, mas guardamo-lo por percaução. Se há tanta gente vive sem apêndice, porque é que eu tenho de o aguentar? Uma coisa é o coração, um órgão a sério, outra coisa é o apêndice que ainda provoca dores.

Outra coisa que me provoca "comichão" dentro deste tema do corpo humano são os rins e a bexiga. Temos dois rins prontinhos a filtrar urina, mas só temos um sítio para armazenar a urina produzida por dois órgãos. Se as contas não me falham, devíamos ter duas bexigas. E dois estomagos, que às vezes um não me chega.

Letras com nota artística #4: "Aphrodisiac"

letras 17:30


Mais uma vez uma música desconhecida da generalidade das pessoas e mais uma vez a pedido. "Aphrodisiac" é o tema que a Grécia enviou à Eurovisão em 2012. A Grécia é aquele tipo de país que envia uma genialidade num ano e o típico eurotrash no seguinte. Mas vamos ao que interessa. "Aphrodisiac" é uma canção de Eleftheria Eleftheriou. Acham que o nome soa mal? Deviam ouvir a voz dela.

Concentrem-se neste belo tema que deu um dos piores resultados à Grécia no ESC deste século:


Agora concentrem-se na letra que eu vou fazer o mesmo:

"I gotta to say what’s on my mind
When I’m with you I feel alright
You call me baby, we spend the night
I’m so addicted, I feel alive

Over and over I’m falling

Oh oh oh oh oh, oh oh oh oh oh
You make me dance, dance like a maniac
Oh oh oh oh oh, oh oh oh oh oh
You make me want your aphrodisiac

You make me want your aphrodisiac

I think about you all the time
I just can’t get you off my mind
You drive me crazy, you drive me wild
You’re so addictive, there’s no way out

Oh oh oh oh oh, oh oh oh oh oh
You make me dance, dance like a maniac
Oh oh oh oh oh, oh oh oh oh oh
You make me want your aphrodisiac

You make me want your aphrodisiac

I’m craving for your touch
I want it way too much
I’m craving for your touch
Too much, your touch, too much

Over and over I’m falling

Oh oh oh oh oh, oh oh oh oh oh
You make me dance, dance like a maniac
Oh oh oh oh oh, oh oh oh oh oh
You make me want your aphrodisiac

Oh oh oh oh oh, oh oh oh oh oh
You make me dance, dance like a maniac
Oh oh oh oh oh, oh oh oh oh oh
You make me want your aphrodisiac

You make me want your aphrodisiac"

A pergunta que se impõe é: o que é  então o afrodisíaco?

A rapariga começa a canção a dizer que tem de dizer o que está a pensar. É uma coisa que eu não aconselho a ninguém porque suponho que toda a gente pense da mesma forma estúpida que eu. Eu raramente digo aquilo que penso e ainda mais raramente penso no que digo. Mas parece que ela só pensa que quando está com seja lá quem for se sente bem. Confesso que estava à espera de uns pensamentos mais elaborados, mas enfim.

"You call me baby, we spent the night" - é de mim ou ela é um bocadinho (mas só um bocadinho mesmo) oferecida? Espero que ela nunca vá a um concerto da Britney Spears em que ela cante o "Baby one more time" a olhar para ela. 

"I'm so addicted, I feel alive" - querida, se fores viciada em droga ou álcool, é normal que te sintas viva. A menos que sejas como algumas pessoas que eu conheço que "morrem" com o efeito álcool. À medida que avançamos na letra desta bela melodia percebemos que ela cai uma e outra vez. Rapariga, é possível que isso seja por te sentires "viva". E ainda dança que nem uma maníaca. Isso já tinha reparado.

Chegados à segunda parte da música, temos quatro versos para dizer uma coisa que já foi dita antes. Lembram-se do primeiro verso? Se não se lembram vão lá atrás ver que eu espero. Já se lembram? Lembram-se de eu questionar o que é que ela poderia estar a pensar? Temos aqui a resposta. Está a pensar, SEMPRE, na pessoa a quem dirige a música. E porquê? Porque essa pessoa é viciante. 

Desconfio que a música não se refira a alguém, mas sim a alguma coisa. Faz muito mais sentido. Pensem comigo: 
  • uma coisa viciante;
  • uma coisa que é difícil abandonar;
  • uma coisa que a faz dançar como uma maníaca;
  • uma coisa que a deixa maluca;
  • uma coisa que a faz sentir bem;
  • uma coisa que a faz cair uma e outra vez.
Isto é uma pessoa? Para mim não, mas isto sou eu, que gosto de acreditar que as letras das músicas têm alguma coisa interessante por baixo de tanta falta de conteúdo. Isto podia perfeitamente ser o hino dos AA. 

Nobody cares

jornalismo 17:04
O casamento do Jorge Mendes tem sido muito falado na imprensa. E não é só na imprensa cor-de-rosa. É em toda a imprensa. Quando eu ponho gosto numa página de um jornal no facebook (um que não o Correio da Manhã) espero que me informem sobre coisas relevantes (principalmente sobre futebol). É o que acontece. O casamento do Jorge Mendes é quase o acontecimento do ano. Não foi transmitido na SIC e TVI porque não tinha número de valor acrescentado para onde ligar e ganhar uns milhares de euros.

Mas parece-me importante perceber o porquê de tanto alarido à volta deste casamento. Jorge Mendes é uma celebridade internacionalmente conhecida por todos aqueles que são portugueses e simultaneamente apreciam futebol. É adorado por uma elevada percentagem do grupo anteriormente citado: mais ou menos uns 15%. E é ainda o grande patrão da selecção nacional, apesar de apenas os 85% restantes perceberem isso.

É por isto que o casamento do Jorge Mendes é tão relevante. É por isso que merece tantas notícias. Só eu é que não quero saber. Mas eu tenho problemas, toda a gente sabe isso.

Letras com nota artística #3: Dunas

letras 18:55
Depois de duas análises de duas letras diferentes [aqui] e [aqui], parece-me a altura ideal para apostar na análise de uma música conhecida de todos. Falo daquela que é a primeira música que toda a gente aprendeu a tocar na viola (toda a gente menos eu que para ler uma pauta preciso de um dia inteiro): as Dunas, dos GNR.

Na verdade apercebi-me do quão ridicula é a letra ontem quando fui ver o concerto da banda ao Bodo. Atentem então na letra de "Dunas":


"Dunas, são como divãs,
Biombos indiscretos de alcatrão sujo
Rasgados por cactos e hortelãs,
Deitados nas Dunas, alheios a tudo,
Olhos penetrantes,
Pensamentos lavados.

Bebemos dos lábios, refrescos gelados (refrão)
Selamos segredos,
Saltamos rochedos,
Em câmara lenta como na TV,
Palavras a mais na idade dos "PORQUÊ"

Dunas, como que são divãs
Quem nos visse deitados de cabelos molhados bastante enrolados
Sacos camas salgados,
Nas Dunas, roendo maçãs
A ver garrafas de óleo boiando vazias nas ondas da manhã

Bebemos dos lábios, refrescos gelados,
nas dunas!
Em camara lenta como na TV,
Nas dunas..
Nas dunas..
Naasss duunas...
Naasss duunas..
Refrescos gelados...
Como na Tv.
Nas duunas.."

Importa antes de mais nada apresentar algumas definições que me parecem relevantes para uma análise cuidada deste belo poema. Todas as definições são do priberam, que eu não ando aqui a inventar nada.

Dunas: monte de areia acumulada pelo vento à beira-mar.


Divãs: espécie de sofá; colecção de poesias árabes; conselho de Estado (na Turquia); sala onde o divã funciona. (vamos acreditar que se referem ao sofá que de poesias árabes e conselhos de estado turcos não sou uma pessoa tão entendida).


Numa abordagem menos realista, até consigo entender que as dunas sejam como divãs. Principalmente na altura em que a música foi lançada. Lembram-se? Quando havia realmente dunas? Quando não era preciso levar areia para a praia? Ah, que saudades desses tempos! Com o primeiro verso tudo bem, certo?

Mas então de onde raios vêm os biombos? Mas isto não são uns biombos quaisquer (ou quaisqueres, que de vez em quando uns pontapés na língua portuguesa também ficam bem na blogosfera) são "biombos indiscretos de alcatrão sujo rasgados por cactos e hortelãs". Este dois versos davam para analisar durante mais tempo que os dez cantos dos Lusíadas. 
  • Ponto 1: claro que os biombos são indiscretos. São coisas (a meu ver inúteis) enormes que ocupam imenso espaço. Para serem discretos precisavam do manto da invisibilidade e é possível que o manto fosse pequeno demais para os tapar.
  • Ponto 2: se os biombos são de "alcatrão sujo", como é que podiam ser discretos? 
    • Ponto 2.1: onde é que se arranjam biombos de alcatrão? É que eu estou a pensar ligar ao Gustavo Santos para me vir mudar a casa e gostava de ter um biombo de alcatrão, mas do lavado.
  • Ponto 3: os cactos rasgam alcatrão? Brilhante. E a hortelã? Rasga alguma coisa?
Passemos à frente. Eu costumo beber de copos ou garrafas. Eles bebem dos lábios. A menos que sejam os lábios da Manuela Moura Guedes, são capazes de ficar com sede. Depois de se refrescarem, gelarem e selarem segredos vão praticar parkour, mas nos rochedos, que não é tão perigoso. Fazem isto tudo em câmara lenta, como na TV. É certo que eu não via a televisão desta altura, mas era assim tudo tão vagaroso? É que agora é ao contrário. É sempre a despachar, a menos que o Paulo Bento esteja a falar. Aí precisamos de meia hora para ouvir uma frase.

Para terminar, se alguém me conseguir dizer o que é a "idade dos porquê", ganha uma conjunto de maquilhagem e cremes. (Ok, não ganha nada, mas estou a adaptar-me à blogosfera e parece que isto faz parte).


Conclusões: as letras dos GNR (que ontem apercebi-me que são todas dentro deste género) são frases soltas (ou mesmo palavras). É mais ou menos o que o Reininho faz quando fala. Diz umas palavras. Às vezes forma uma frase, outras tem menos sorte (e eu faço parte do grupo de pessoas que adora o homem). As letras dos GNR são mais ou menos como os poemas do Fernando Pessoa, a diferença é que rimam.

Se se lembrarem de letras deste nível, avisem. É possível que isto seja a minha vocação.

Questões que assolam a humanidade #6

questões que assolam a humanidade 16:55


Porque é que nos referimos a uma peça singular no plural?

Já tinha alertado para a quantidade de erros existentes na língua portuguesa. Há acordos ortográficos para corrigir o que não está errado, mas nada de emendar o que é estúpido. Referimo-nos a calças ao invés de calça. E há ainda quem se refira a uma calça como "um par de calças". Um par pressupões duas, e calças pressupõe mais que uma, portanto "um par de calças" inclui no mínimo quatro calças. Calças são duas ou mais calças e não apenas uma. Ainda bem que este mundo tem pessoas como eu.

Telemarketing

16:25
São 16h15 e, desde as 12h30, já me ligaram seis vezes da DECO. Como é que eu sei que é da DECO? Tenho o número apontado. A minha lista de contactos tem mais números de telemarketing do que de pessoas que eu conheço. Só do Millenium tenho cinco números diferentes. 

O telemarketing é uma excelente ferramenta para testar a nossa persistência. Eu sou mais persistente que eles e vou ganhar esta luta. Ligaram-me há uma semana da DECO para aderir a um cartão qualquer de descontos. A minha carteira já não tem espaço para cartões: é o cartão de cidadão, os cartões da faculdade, a carta de condução, o cartão jovem, o cartão continente, o cartão da worten, o cartão do intermarché, o cartão da sport zone, o cartão multibanco, o passe, os cartões viva, e mais uns quantos de que me estou a esquece. Não quero mais cartão nenhum a não ser o de sócia do Benfica. 

Ainda por cima o cartão é pago mas "dá descontos nas compras de bens esseciais". Para isso tenho o cartão do continente que é grátis e ainda me dá vales de desconto de 5€ que vêm directamente para casa. Eu disse à senhora que não estava interessada mas ela achou que "não estou interessada" equivale a "por favor, volte a ligar porque eu adoro ouvir as vossas promoções". 

Mas eu vou vencer esta luta. Venci todas até hoje, mesmo quando me ligaram oito vezes seguidas. Eu sou muito persistente. E teimosa. Sobretudo teimosa.

Os "fãs" pedem... e eu faço

letras 14:34
Rita Pereira (uma rapariga com o mesmo nome da actriz, mas bastante mais talentosa que ela), possivelmente a única pessoa que se ri das minhas piadas porque não convive diariamente comigo, pediu-me que analisasse a letra da música (?) "Girl From Sweden" do cantor (?) sueco Eric Saade. Eric Saade é "conhecido" do público pela participação no Festival Eurovisão da Canção 2011 onde alcançou o 3.º lugar com uma música cujo refrão era o seguinte:

"I will be popular
I will be popular
I'm gonna get there
Popular.

My body wants you girl
My body wants you girl
I'll get you when I'm popular"

Ah! Até me revigora a alma tanta profundidade. Este ano regressou ao Festival da Canção sueco (que é bastante mais interessante que o português), com "Sting", uma bela canção (?) com versos como "It's gonna sting so bad, it's gonna drive you mad" e "I knew you before you were a cool kid, so screw you". Agora que já perceberam que a qualidade literária reina para estes lados, apresento-vos "Girl From Sweden": 


"She got eyes like a tiger, tiger
got a heart of a lion, lion
she's hotter than fire, fire
got me hooked with a la la la la la la

Like cherry, cherry
she's sweeter than candy, candy
I ain't dumb but I'm ready, ready
for a little bit of la la la la la la

I've been around the world a lot of girls
wanna get down with me
still I can't wait till I return
to the one that's meant for me

Spend a weekend in Paris
already leaving
Off to Miami
high like a ceiling
high like a ceiling

Spend a weekend in Paris
already leaving
Off to Miami
high from the feeling
I'm so high from the feeling

I got a girl from Sweden
I gotta, I gotta, I gotta girl from
I gotta, I got a a girl from Sweden
I gotta, I gotta, I gotta girl from
I gotta, I got a a girl from Sweden

Hey brother, brother
listen up when I tell ya, tell ya
she's not like the others, others
got me drunk on her la la la la la love

It's funny, funny
she's all over my body, body
I gotta make her my honey, honey
tonight we gon' la la la la la la (yep)

I've been around the world a lot of girls
wanna get down with me
but still I can't wait till I return
to the one that's meant for me

Spend a weekend in Paris
already leaving
Off to Miami
high like a ceiling
high like a ceiling

Spend a weekend in Paris
already leaving
Off to Miami
high from the feeling
I'm so high from the feeling

I got a girl from Sweden
I gotta, I gotta, I gotta girl from
I gotta, I got a a girl from Sweden
I gotta, I gotta, I gotta girl from
I gotta, I got a a girl from Sweden

I got a girl from Sweden

Spend a weekend in Paris
already leaving
Off to Miami
high like a ceiling

Spend a weekend in Paris
already leaving
Off to Miami
high from the feeling
I'm so high from the feeling

I got a girl from Sweden
Sweden

I gotta, I gotta, I got a girl from
I gotta, I got a girl from Sweden
I gotta, I gotta, I got a girl from
I gotta, I got a girl from Sweden

I got a girl from Sweden
I got a girl from Sweden
ooh"

Comecemos pelo princípio. O Eric Saade conhece uma rapariga com os olhos assim:


Não conheço nenhuma rapariga sueca, mas das celebridades que já vi, nenhuma me pareceu ter os olhos amarelos. Não será assustador passar na rua e ver alguém com estes olhos? 

Mas atenção. Ela não tem só os olhos como um tigre. A palavra tigre é repetida duas vezes. Já vi tigres e sei que possuem dois olhos, portanto a repetição desta palavra leva-me a concluir uma de duas coisas:
  • Ou a rapariga tem o dobro dos olhos de um tigre: quatro;
  • Ou na Suécia os tigres são ciclopes e portanto a rapariga tem dois olhos (mais uma vez o dobro daquilo que terá um tigre sueco)
Não só a rapariga tem olhos de tigre, como também tem coração de leão. Neste caso, a repetição da palavra leão só nos pode levar a concluir que a rapariga tem dois corações. Matemática à parte, sou só eu que sinto necessidade de arranjar um nome para esta rapariga? Uma mistela entre um peixe e uma mulher é uma sereia, uma mixórdia de touro com o homem é um minotauro, mas não encontro qualquer tipo de indicação para o que possa ser uma mulher com corações de leão e olhos de tigre. Parece-me que a mitologia nórdica precisa de uma revisão.

"Got me hooked with a la la la la la". O que é um/a "la la la la la"? É que mais tarde ele diz estar pronto para um pouco de "la la la la la" e que esta noite vai "la la la la la". Ou "la la la la la" tem muitas variações e pode ser usado como verbo e nome, ou a letra não faz sentido. É claramente a primeira opção que está correcta. 


Avançamos na música (?) e percebemos que ele esteve no mundo inteiro. Que nota tiveste tu a Geografia, Eric? O mundo todo não é Suécia, Paris e Miami. Nem em todos os continentes estiveste e falas-me em mundo? 

"she's not like the others". Claro que ela não é como as outras. Pelo menos como eu não é. Não tínhamos já concluído que ela é uma criatura mítica ainda sem designação? "She's all over my body" é um verso que exprime medo, certo? É que ter alguém com corações de leão e olhos de tigre em cima é capaz de não ser agradável.

E com isto concluo a minha (preciosa) análise. Análise essa que me fez ouvir esta música (?). O que uma pessoa não faz pelos "fãs".

Pequena reflexão sobre a vitória do Sporting

Futebol 13:31
O mundo vai acabar em breve. Num espaço de dias, o Sporting ganha um título e o Blatter despede-se. É provável que a decisão do ex-presidente da FIFA tenha sido causada pelo Sporting. Quem sabe se Blatter não disse um dia "demito-me quando o Sporting ganhar um título"?

Mas importa referir as coisas importantes desta Taça de Portugal. A mais relevante parece-me sem dúvida a felicidade de Marco Silva. Está na cara que o treinador dos leões é o maior sportinguista que conhecemos. Na recepção na Câmara de Lisboa, os adeptos entoavam o típico cântico "e quem não salta é lampião" e todos saltavam menos Marco Silva. Tive pena dele. Pena que não tivesse ido ao marquês celebrar o campeonato que a sua equipa do coração venceu, mas não se pode ter tudo. Ainda em relação a estes cânticos: descansem porque nós e as nossas três taças desta época estamos a morrer de inveja vossa!

Já pararam para pensar naquilo que alcançaram nas vossas vidas enquanto o Sporting ficava a zeros, época atrás de época? Tentei explicar aos meus pais isto, mas eles continuam a dizer que eu não faço nada, mas vejamos tudo o que fiz nestes sete anos:

  • Acabei o 9.º ano
  • Fiz o secundário
  • Mudei-me para Lisboa
  • Licenciei-me
  • Acabei (quase) uma pós-graduação
Mas parabéns ao Sporting. De vez em quando também gosto de ver as equipas mais pequenas no topo.

A qualidade literária da Eurovisão

eurovisão 23:30
Já aqui tive o prazer de analisar letras inovadoras e deveras interessantes do Festival da Canção. É a vez da Eurovisão. Não se pense que a Eurovisão é só um festival de política onde só ganha quem tem interesse/dinheiro para organizar o evento no ano seguinte. A Eurovisão é bem mais que isso, e aqui fica a prova.


De seguida um conjunto de letras que acho deveras interessantes e que pisaram o palco eurovisivo na semana passada.


"And i was playing with numbers, and I didn't now what it meant" - Irlanda

A menos que brincar com os números se refira ao famoso jogo "24" não faço ideia do que ela possa estar a falar.


"We're gonna rapapap rapapap tonight" - Bélgica

Exacto. "Rapapap" era mesmo o que me apetecia fazer esta noite. 


"Vejo se me endireito mas falta-me a vontade"
"Se é o mar que nos separa, vou secá-lo de saudade" - Portugal

Para quem não tem vontade de fazer nada, está muito convicta de que vai secar o mar só com saudade (como se pôr "mar" e "saudade" na mesma frase não fosse um requisito para participar no Festival da Canção). Mais facilmente bebes a água toda do mar do que o secas com saudade, mas força nisso!


"And before I leave, let me show you Tel Aviv"
"Gotta go, three minutes, bye bye" - Israel

Alguém que erga uma estátua ao letrista desta música por favor, porque isto são os melhores versos da história eurovisiva. 

E de seguida o poema completo da música finlandesa (e juro que isto é verídico):

"Tenho sempre de limpar
Tenho sempre de lavar a loiça
Tenho sempre de ir trabalhar
Tenho sempre de ir ao médico

Não posso usar o computador
Não posso ver televisão
Nem posso ver os meus amigos

Tenho sempre de estar em casa
Tenho sempre de tratar das coisas
Tenho sempre de comer bem
Tenho sempre de beber bem

Não posso comer doces ou beber refrigerantes
Nem posso beber álcool

Tenho sempre de descansar
Tenho sempre de dormir
Tenho sempre de me levantar
Tenho sempre de tomar banho"