expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

A r3virav0lta do Sporting

Infelizmente não pude ver a quase-r3virav0lta do Sporting com a atenção que queria. Comecei a ver o Besiktas vs. Liverpool às 18h e planeava ver a r3virav0lta logo de seguida. Infelizmente as coisas não correram como eu desejava. O Besiktas acabou por marcar um golo o que levou o jogo a prolongamento e posteriormente a penaltis. Foi chato. Primeiro porque não aprecio que as equipas com as quais simpatizo tenham de enfrentar penaltis (principalmente quando não têm o Gerrard), mas sobretudo porque o jogo se prolongou e não me permitiu ver a r3virav0lta.

Acabado o jogo do Liverpool (que perdeu, como seria de esperar) liguei prontamente a televisão para ver a r3virav0lta. Infelizmente deu-me a fome. Mantive a televisão ligada (que eu aprecio sempre barulho de fundo enquanto janto) e fiz o jantar, jantei, lavei a loiça e ainda li um texto para uma aula que tenho amanhã. Enquanto fiz isto tudo, a r3virav0lta continuo a não passar de um hashtag e os comentadores da SIC tiveram no mínimo quarenta e sete mini ataques cardíacos. Sofreram mais que a Juve Leo. 

Como não posso comentar o jogo, porque não lhe dei a devida atenção (com excepção das partes em que o jornalista da SIC gritava de uma maneira que se ouvia do Campo Grande aqui) opto por comentar as fantásticas frases saídas da boca do comentador da SIC. É fácil criticar o Nuno Luz, difícil é encontrar alguém ainda pior. Não queria estar a gabar-me de ter conseguido um feito impossível, mas penso que consegui mesmo. 

Primeiro que tudo, importa esclarecer os mais incultos que o Tanaka não se chama Tanaka mas sim Tanako. É mais ou menos como o Dzeko passar para Zdeko e o Joe Hart para Jo Ar na TVI. Mas melhor que isso é estar a ver um jogo em que o Sporting está a perder a eliminatória por 2.0 e criticar-se o Liverpool que perdeu nos penaltis porque, e cito, "quem calha com o Liverpool tem sempre grandes hipóteses de passar". Ui, vamos gozar os que perderam nos penaltis e não tinham metade dos titulares em campo e exaltar a r3virv0lta do nosso querido Sporting.

Logo depois disto saiu uma frase que gostaria de analisarem três partes distintas:
O jogo do Feyenoord foi interrompido: até aqui tudo bem. É uma informação que, para mim pode não ser muito útil, mas para outros será.
O jogo do Feyenoord foi interrompido. Não estou a ver o jogo: a sério? Então estás a comentar o Sporting vs. Wolfsburgo e não estás a ver o Feyernoord? Vergonhoso!
O jogo do Feyenoord foi interrompido. Não estou a ver o jogo, mas sendo na Holanda deve ser por causa de mau comportamento dos adeptos: mas isso não é mais para os lados da Turquia? Interrompem-se muitos jogos de futebol na Holanda por mau comportamento de adeptos? Curioso eu não me lembrar de nenhuma situação dessas. Mas da mesma forma que ele supôs que esta seria a razão, eu preferi supor que uns aliens estacionaram a sua nave espacial em pleno estádio no meio do jogo. Posso estar certa ou errada. Curiosamente o jornalista da SIC também pode estar certo ou errado e não deixou de dizer o que disse em directo. Cada vez mais me convenço que é por este tipo de coisa que não posso ser jornalista. Não consigo inventar justificações pouco originais como "mau comportamento".

De qualquer das formas foi revigorante "ver" a quase-r3virav0lta do Sporting. É engraçado como é que, estando tantos anos de fora da Europa, se fartaram tão rapidamente. 

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Guia de utilização de transportes públicos

Hoje o metro esteve em greve (ui que novidade). Sempre que compramos electrodomésticos ou coisas do género, pagamos também um enorme "livro" com instruções em diversas línguas (às vezes sem o português). Mas quando compramos um bilhete de comboio ou fazemos o passe, ninguém nos ensina a utilizar os transportes públicos nem nos diz os efeitos secundários dessa mesma utilização. Quando compro uma máquina de lavar sei que, se usar um determinado programa, vou ter de esperar tantos minutos para a roupa lavar e, dependendo da temperatura, sei que aquilo vai lavar a quente ou a frio. Se misturar cores com roupa branca a quente, sei que vou deixar de ter roupa branca. Mas quando fiz o passe, ninguém me disse quanto tempo ia ter de esperar por autocarros/metro e afins. É por isso que, ao longo do tempo (hoje), desenvolvi este manual que considero bastante útil.

Carris

1. Estás à espera do autocarro? Vão passar todos (alguns mais do que uma vez) menos aquele de que precisas.
      1.1. Quando finalmente o autocarro de que precisas chega vem tipo sardinha enlatada. Entras nele na mesma sem te aperceberes que atrás está outro completamente vazio e já vais a meio do teu percurso (ainda em pé) quando esse outro autocarro ultrapassa aquele em que tu vais.
2. Se estiveres em pé, a probabilidade de haver lugares sentados lá atrás é enorme, mas há pessoas que simplesmente apreciam fazer uma boa viagem de autocarro em pé e impedem a tua passagem.
3. Há sempre, sempre alguém com a música tão alto que pensas que essa pessoa não tem phones, mas tem.
4. Há sempre, sempre alguém a ouvir música (ou o que quer que se chame àquilo que essas pessoas ouvem) vinda do telemóvel e a presentear todos os passageiros com essa música (ou o que quer que se chame àquilo que essas pessoas ouvem).
5. As pessoas sentam-se do lado do corredor. Independentemente de saírem na paragem seguinte ou na última. 

Metro

1. O metro nunca demora mais de 5 minutos durante a semana. A menos que precises dele. Aí pode demorar 10.
2. As pessoas têm tendência a suicidar-se na linha azul. Sempre.
3. Durante a hora de ponta é preferível ir a pé. Seja para onde for. 
4. Quando o Benfica joga não vás para o Alto dos Moinhos. Eu sei que é mais perto, mas o metro não leva 60 mil pessoas de uma vez. Os primeiros 3 metros depois do jogo enchem no Colégio Militar. Com sorte, no Alto dos Moinho apanhas o quarto metro.
5. Há pessoas que vão tentar entrar e sair juntamente contigo porque não têm passe.

Regional

1. O comboio vai sempre vazio. A menos que seja hora de ponta. 
2. Há lugares de 6 e 4 pessoas vazios, mas há sempre alguém que se vai sentar onde estás.
       2.1. Se estiveres com as pernas esticadas para a frente a pessoa vai sentar-se à tua frente.
        2.2. Se estiveres com as pernas esticadas para o lado ou tiveres as tuas coisas em cima do banco do lado a pessoa vai sentar-se ao teu lado.
3. O comboio tem pneus. E furam-se de vez em quando. Daí as paragens no meio do nada.
4. O regional onde vais não tem prioridade. Nunca. Nem sobre outros regionais.
Nem sobre comboios fantasma.
5. Os revisores nunca pedem para ver o teu cartão de cidadão para comprovar o desconto. A menos que estejas com phones, a ler um livro e com a carteira arrumada no fundo da mala.
6. As pessoas levam-se em Torres Novas para saírem no Entroncamento. São sensivelmente cinco minutos que passam de pé. Pode não parecer muito. No regional é uma eternidade. 
7. O comboio atrasa-se sempre. A partir e a chegar. Sempre.


Intercidades

1. O comboio atrasa-se sempre. A partir e a chegar. Sempre.
2. Há lugares marcados, mas vai haver sempre uma pessoa sentada no teu lugar quer entres na primeira estação ou na penúltima. Sempre.
3. Não uses phones se for de noite. Não vais conseguir ouvir a voz que indica que estás a chegar à tua estação. 
4. Não adormeças se for de noite. Nem feches os olhos. Não vais conseguir ouvir a voz que indica que estás a chegar à tua estação. 
5. O preço é mais caro mas os lugares são mais desconfortáveis que os do regional.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

O péssimo marketing da sagres

Hoje fui ver o Sporting. Sim, eu sei que é estranho. Eu própria tenho tendência a repelir qualquer associação com o dito clube, mas quando me apresentam propostas gratuitas eu aceito. Se é para ver a bola chamam-me que eu sou companhia garantida nem que seja para um Leiria vs. Fátima (a menos que o Benfica jogue a essa hora). 

Na minha vida inteira fui ver três jogos do Sporting. Um para a Liga Europa há uns quatro anos, um na Luz e outro hoje. Por sorte foi exactamente hoje que o Marco Silva deixou o meu jogador preferido do Sporting (o Adrien já que o Shikabala não conta) no banco e o jogador que mais odeio (o Nani) faz um jogo péssimo mas é eleito homem do jogo porque marcou um golo. Isto quer dizer que ontem o Eliseu foi o homem do jogo?

Passando ao que interessa. Vou cortar relações com a Sagres. Não é que tenha qualquer tipo de relação com a marca, até porque não gosto de cerveja. Para resolver esta situação, estou tentada a ir ao café pedir uma Sagres e beber só um bocado. Deixo o resto como forma de protesto e para o pessoal da Sagres ver que não é só o Bruno que está chateado com eles. A diferença é que o Bruno está a fazer birrinha porque eles chamaram frango ao seu estimado Rui Patrício. Eu estou chateada pela não-continuação da acção de marketing. Não ia à espera de ver um grande jogo, mas um frango do Rui Patrício calhava bem. Tendo em conta que o Gil Vicente fez - se as contas não me falham - zero remates à baliza, seria complicado arranjar material para um novo vídeo. Mas as pessoas precisam de ter sempre um plano B. Assim sendo, não teria ficado nada mal à Sagres levar uns frangos assados e distribui-los pelas 42 mil pessoas que estavam em Alvalade. Era uma boa campanha promocional e os sportinguistas (e eu) ainda ficavam com a barriga cheia. 

P.S. Estavam 42 mil pessoas em Alvalade porque os sócios tinham bilhetes grátis e os que têm gamebox podiam levar acompanhante. 90% das pessoas que estavam no estádio não pagaram nada, tal como eu. Não quero que ninguém fique a pensar que se enchem estádios em Portugal para jogos destes!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Bruno de Carvalho vs. criança

Sempre soube que Bruno de Carvalho era a pessoa indicada para estar à frente do Sporting. Ou ele ou uma criança. Mas as birras das crianças geralmente são menos interessantes do que as de Bruno de Carvalho. Além disso uma criança possui uma capacidade argumentativa muitas vezes superior à de Bruno de Carvalho (se ele vê isto temos comunicado) mas não consegue exprimir-se tão bem. 

Uma criança, quando castigada pelos pais, tem tendência a dizer "mas não fui só eu que fiz  e só eu é que sou castigado". O presidente do terceiro classificado diz "tenho a certeza que nos próximos dias haverá um vídeo promocional da marca, sobre os vários erros cometidos esta época nos jogos do Benfica, pois darão com certeza notas bem mais artísticas do que esta". Traduzindo para uma linguagem que todos entendemos: vocês gozaram com o frango do Rui Patrício, agora gozem com os tremendos erros cometidos pela equipa que está em primeiro lugar do campeonato. O Benfica fartou-se de ser acusado de ter um pacto com o Porto contra o Sporting. Agora quem é que compactuou com quem? Só o Benfica é que tem vídeo? O Porto não errou? Não errou e está em segundo? O Benfica está mesmo forte.

Mas temos de compreender o lado do Bruno de Carvalho. Tal como ele, eu também gosto de mandar uns bitaites de vez em quando. A diferença é que, no geral, não exijo que ninguém me peça desculpa por nada para depois dizer "sempre aprendi que as desculpas não se pedem, evitam-se". Para quê exigir a Sagres a dar-se ao trabalho de pedir desculpas se não são para serem aceites? É por isto que este país não anda para a frente. Enquanto podiam estar a trabalhar, o pessoal da sagres estava a pedir desculpas ao menino. Lembro-me de uma vez estar no continente e querer uma barbie. Gritei e chorei imenso até que a minha mãe se foi embora e decidiu deixar-me a gritar e chorar sozinha. Uma semana em minha casa e o Bruninho perdia a mania das birras. 

Resta-me dizer que "o melhor guarda-redes de Portugal e um dos melhores da Europa" é, na minha modesta opinião, capaz de deixar desconhecidos como Neuer, Courtois, Buffon, Petr Cech e até Júlio César e Oblak a um canto enquanto pratica o seu fenomenal futebol.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Afinal, para que servem os centros de emprego?

Desde que acabei o curso e entrei no grupo de "desempregados à procura do primeiro emprego" que esta questão me assola. Até sonho com isto. Ou acho que sonho, porque nunca me lembro dos meus sonhos. 

Reza a lenda que o centro de emprego serve para, como o nome indica, arranjar emprego às pessoas. Mas não. O centro de emprego é um espécie de 50 shades of grey: promete muita coisa, mas no fundo não é nada daquilo que prometeu. Talvez não seja a melhor comparação, mas queria apenas juntar a minha crítica às milhares que andam por aí a criticar o "filme do ano" mesmo que não o tenha visto. 

Para os que não sabem: o centro de emprego limita-se a enviar-nos cartas para casa a convocar-nos para reuniões chatas (no meu caso no fim do mundo) e quando não aparecemos porque, sei lá, não vimos a carta porque estávamos de férias noutro sítio que não Lisboa (e as cartas são um método muito mais eficaz que os e-mails), cancelam-nos a inscrição. Mas avisar? Para quê. Avisar é para coisas importantes, coisas de a nossa vida dependa como, sei lá, continuar a enviar currículos para realizar estágios do IEFP quando na verdade não estamos lá inscritos.

Ahh é por isto que adoro Portugal. As pessoas são sempre tão competentes.


quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Questões que assolam a humanidade #2


(Pessoal do Continente, se estiverem a ver isto, façam o favor de me enviarem vales de 5€ em cartão em vez de 10%)

Porque é que se chama lava tudo se não lava tudo?

É provável que o lava tudo tenha sido a primeira publicidade enganosa de sempre e dele advieram as restantes (que é como quem diz, todas as outras existentes). De cada vez que faço limpezas esta questão vem-me à cabeça. Não é que alguma vez tenha experimentado, mas desconfio que o lava tudo não sirva para lavar dentescabelo ou o corpo. 

Quando era mais nova e a minha mãe estava a fazer limpezas "a fundo" tentei ajudá-la, lavando os vidros da cozinha com lava tudo. Ela ralhou-me. Parece que o lava tudo deixa uns desenhos engraçados nos vidros. Ainda hoje não sei porque é que ela ficou tão zangada. Eu apenas deduzi que aquilo lavasse realmente tudo. Não tenho a culpa que os produtos de limpeza não sejam objectivos.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Por vizinhos sem spoilers


Não é a primeira nem há-de ser a última vez que os meus vizinhos me spoilam, mas geralmente não costuma ser em momentos tão relevantes. Estava a ver o derby (obviamente) e ainda o meu stream da SportTV marcava 92 minutos quando os vizinhos começaram a gritar golo. Nem eu nem a minha colega de casa sabíamos o que se passava. Por um lado seria estranho que tivesse sido golo dos lagartos, já que os vizinhos não tinham gritado nada no outro golo. Por outro lado, o Benfica tinha acabado de perder uma boa oportunidade e até me parecia que o Sporting estava a sair em contra-ataque. Afinal tinha sido o Jardel. Sensivelmente um minuto e uns segundos depois começámos a gritar. Se os meus vizinhos fossem pessoas decentes (e até são, pela escolha clubística), aprendiam a só gritar quando o golo chegasse a toda a gente. Nem todos temos dinheiro para SportTV. Quando vejo publicações no facebook com spoilers, elas costumam estar identificadas. Os vizinhos deviam primeiro gritar "SPOILER" e baseada nisso eu decidia se ouvia ou punha phones.

Em relação ao jogo em si, confesso que não vi com grande interesse. Para mim um jogo só começa a ficar mais sério quando acontece uma de duas coisas: começamos a jogar com dez ou o Samaris leva amarelo. Felizmente o Samaris tem feito bem o seu trabalho e mantém-nos a jogar com 11 (ou 12, caso o Eliseu esteja em campo). Depois do amarelo passei a ver o jogo com mais interesse. Foi precisamente depois disso que ele ficou interessante. Eu gosto muito de futebol, gosto muito do Benfica mas também gosto muito de ganhar, e nós hoje ganhámos, ganhámos 1-1 e sim, continuamos lá no cimo. Somos "muita fortes".

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Eu contesto

Parece que há quem faça anos hoje. Tal como há pessoas que fazem anos amanhã, sábado ou daqui a um mês. Mas hoje é importante. Porquê? Porque a TVI o diz e eu gosto sempre de me guiar por aquilo que a TVI diz. Ontem estava a ver o telejornal - que é a hora sagrada cá em casa (ou no caso da TVI, as horas) - quando vejo uma reportagem sobre o aniversário do Ronaldo seguida de um "é o melhor jogador de sempre e ninguém o pode contestar". Ora eu, até posso estar errada, mas contesto. Então agora os jornalistas da TVI dizem-me o que posso ou não contestar? Deixámos de ser todos charlie e eu não me apercebi? Não posso contestar que o Ronaldo não é o melhor jogador de sempre? Não posso afirmar que, de todos os que tive o prazer de ver o jogar, o Figo é aquele que elejo o melhor português de sempre? 

Mas voltando ao que realmente (não) interessa - o aniversário do Ronaldo. Sinto que estamos a celebrar pouco o aniversário do incontestável melhor de sempre. Uma transmissão de 24 horas na TVI 24 sobre o incontestável melhor de sempre não me chega. Onde estão os cortejos? Onde estão o Somos Portugal e o Portugal em Festa?

incontestável melhor de sempre já é mais relevante para o nosso país do que foi Luís de Camões. Camões escreveu um mísero livro sobre os feitos dos portugueses em dez cantos com 8816 versos decassílabos e sempre com o mesmo esquema: ABABABCC. O incontestável melhor de sempre dá pontapés numa bola, faz umas fintas, ganhou uns quantos prémios e diz que a selecção é uma m**** quando não consegue passar a fase de grupos no mundial (um capitão exemplar como já não há). A 10 de junho celebra-se o dia de Portugal, dia esse que coincide com o dia de Camões. Então Luís de Camões por escrever um livro tem direito a feriado e o incontestável melhor de sempre não? Em que mundo injusto é que vivemos? Ninguém se revolta? Há revoltas porque os medicamentos da Hepatite C não chegam aos pacientes, mas quando chega a hora de nos revoltarmos contra coisas que realmente interessam, ninguém é capaz de dar o primeiro passo.

Proponho que, de hoje em diante, o dia 5 de fevereiro seja proclamado feriado internacional para que o aniversário do incontestável melhor de sempre possa ser devidamente celebrado por todas as pessoas. É o mínimo que podemos fazer pelo incontestável melhor de sempre. 

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Questões que assolam a humanidade #1


Porque é que o shampoo tem a tampa virada para cima e o condicionador para baixo?

Já aqui falei desta questão aquando do primeiro post do blogue mas, não tendo chegado a conclusão alguma, parece-me certo voltar a abordar o tema. É um facto que dá muito mais jeito ter a tampa para baixo. Porquê? Porque quando a embalagem tem só um bocadinho lá no fundo, é um drama conseguir tirar esse bocado. Passamos mais tempo a esperar que aquele bocado de shampoo escorra para as nossas mãos do que a tomar banho. É por isto que eu defendo que tudo deve ter a tampa virada para baixo.

Parece-me a mim que, quando se lembraram de virar a tampa do condicionador para baixo, foi para as pessoas não se confundirem. E que tal fazerem embalagens ligeiramente diferentes? Fica a sugestão.

Mais uma coisa: porque raios é que as pessoas chamam amaciador ao condicionador? Amaciador é para a roupa. Um dia destes ainda experimento amaciador no cabelo. Quando ele passar a vir numa embalagem cuja tampa está virada para baixo.