expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Jornalismo futurista vs. jornalismo de redes sociais




Que o jornalismo está cada vez pior já não é novidade, mas o que verdadeiramente me intriga nos últimos tempos é o surgimento de alguns tipos de jornalismo sobre os quais não aprendi nada na faculdade. Talvez seja devido à minha falta de conhecimento sobre tal que não consigo arranjar um emprego. Vendo bem as coisas, também não apreciaria ter um emprego em que teria de produzir artigos que remetem ao passado com um verbo no futuro.

Examinemos então a "notícia" do lado esquerdo da imagem. A crónica do Ricardo Araújo Pereira da Visão da semana passada  mostra-nos (e bem) o valor do terá. O verbo "ter" está conjugado no futuro, no entanto a notícia aponta-nos para o presente/passado, "o que significa que talvez venha a confirmar-se no futuro que sucederam certas coisas no passado". O "terá" apresenta-nos toda uma nova forma de fazer jornalismo na medida em que eu posso fazer uma notícia de primeira página que diz "Bruno de Carvalho terá ameaçado Marco Silva para ele começar a ganhar jogos" e ninguém me pode processar por isso. Estou a inventar, mas no futuro pode até confirmar-se que esta minha invenção está certa. Mas ainda mais preocupante que o "terá" (que para mim é dos termos jornalísticos mais geniais alguma vez criados) são as outras duas palavras do artigo. Ponto 1: quem é o Tierry?! Foi preciso ir aos comentários para perceber que é um desses da casa dos segredos. Não sei desde quando é que os participantes da casa dos segredos são assunto de importância nacional, mas talvez seja eu que sou conservadora. Ponto 2: é uma notícia assim tão escandalosa um participante da casa dos segredos ter gonorreia? E o que é isso me interessa? Seria mais relevante para a sociedade se me avisassem que ele está engripado na medida em que assim, caso passasse por ele (e o reconhecesse) podia desviar-me e evitar ficar contagiada. 

Passemos à segunda "notícia" do lado direito. Conheço imensas pessoas que defendem que o Record é melhor que A Bola. Claro que é. Copia notícias da Lusa sem emendar erros e presenteia-nos com este tipo de artigo. Ponto 1: ninguém quer saber do Benito. Eu até gosto dele e é por isso mesmo que o sigo no twitter. Não preciso que os ditos jornalistas me avisem sempre que um jogador do meu clube faz um novo post. Ponto 2: honestamente, quem é que quer saber se ele está "impressionado" com tanto acidente? Ontem ele também publicou uma foto no instagram, onde é que está o artigo sobre isso? Sinto que tenho de mudar a segurança da minha conta do twitter antes que o Record faça uma notícia com o twett meu - que diga-se de passsagem, interessaria mais do que a gonorreia do Tierry.

Depois destas beldades, fui obrigada a ver o telejornal da TVI. Sim, que aqui em casa é o meu pai que manda na televisão a menos que eu queira ver futebol. A TVI volta a presentear-me com o "terá", no caso específico na forma de "poderá ter". Ronaldo poderá ter uma nova namorada. O Gerrard vai sair do Liverpool, mas sobre isso nem uma notícia. Mas o Ronaldo tirou uma foto com uma jornalista da Real Madrid TV portanto poderá ter uma nova namorada. É pena ele não ter tirado uma foto comigo. Continuava pobre e desempregada, mas pelo menos famosa já era.

Se estiverem a precisar de alguém que produza conteúdo jornalístico, eu ando à procura de emprego e gostava efectivamente que fosse no mundo jornalismo desportivo. Além de saber escrever (que já é um factor diferenciador), também sigo os grandes astros do futebol mundial no twitter, facebook e instagram. Contactem-me.

Sem comentários:

Enviar um comentário